Até hoje, nem os mandantes e tampouco os executores foram presos. Todos estavam e continuam sob proteção do sistema judiciário e da polícia.

Minhas lágrimas não cessaram e as dores no coração permanecem como feridas, que a todo momento me lembram do sádico homicídio de meus amigos e militantes de longos anos de luta por liberdades democráticas e pelo socialismo.

Estão na minha memória os últimos momentos que convivi com eles na fundação do PSTU e no jantar em minha casa, seis dias antes das suas mortes. Estavam Rosa, Zé e seus filhos, todos sorrindo e felizes, degustando arroz e ovos. Era o que eu tinha em casa.

Não gosto de falar de aniversário de morte, prefiro falar da vida, do que eles foram como pais, trabalhadores e lutadores contra a ditadura, contra a opressão e a exploração do povo do campo e da cidade, e pelo socialismo.

Nesse campo, Zé e Rosa foram exemplares. Sempre estarão na minha memória e no meu coração, assim como vários camaradas das nossas jornadas de lutas. Mas mantenho minha indignação e ódio às elites agrárias e aos assassinos que acabaram com as vidas de meus amigos e camaradas. Mantemos a exigência da prisão dos mandantes e assassinos que são da região de Araraquara e São Carlos.

Pela Reforma Agrária!
Viva o Socialismo!
Zé e Rosa, presentes!