Fotos: Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio

Aurélio Oliveira, um jovem de apenas 17 anos, negro e morador da favela do Rio Pequeno, Zona Oeste de São Paulo, foi executado pela polícia com tiros numa abordagem policial na semana passada. Depois de atirarem nele, os policiais ainda proibiram que os vizinhos chamassem socorro para que ele tivesse alguma chance de sobreviver.

Não dá mais pra aceitar uma barbárie dessas. Esse é o “Estado democrático de direito” para os negros e pobres. Essa sempre foi a PM assassina e herança da ditadura. Essa é a sede de Dória e de Bolsonaro por sangue negro derramado.

Esse crime não passará em branco. As favelas do Rio Pequeno pedem socorro pelo direito de viver! Os jovens das periferias querem viver! Vidas negras importam!

Toda solidariedade e sentimentos à família e aos amigos de Aurélio. Vamos seguir transformando o luto em luta, por todos os nossos que nos foram tirados! Nem um a menos!

Chega de Dória e da sua polícia racista e assassina!

Desmilitarização da PM já! Por uma polícia única e civil, sob controle permanente da população por meio de comitês populares de segurança eleitos pelos moradores!

Aurélio presente!