Reorganização do movimento de massas: um fenômeno continental

A Conlutas expressa no Brasil um fenômeno que ocorre em toda a América Latina, uma das regiões onde mais tem se desenvolvido a reorganização do movimento de massas.

Tal fenômeno é resultado do crescimento das lutas dos trabalhadores e da experiência com os governos de “esquerda”. Com o surgimento dos governos de Frente Popular, organizações tradicionais do movimento passam a entrar nos governos e apoiá-los. É o caso da CUT no Brasil e de um setor da Central dos Trabalhadores Argentinos (CTA) que apóia o governo Kirchner.

Uma vez que os trabalhadores começam a perceber que esses governos implementam os mesmos projetos do passado, as organizações que os apóiam também são afetadas por este desgaste. Surgem, assim, novas organizações por fora das tradicionais. É o que vemos hoje com a a APPO, no México, e a União Nacional dos Trabalhadores, na Venezuela – criada depois que sindicalistas da tradicional CTV se aliaram aos golpistas que pretendiam derrubar Chávez.

O grande desafio dessas organizações será o de intervir nas lutas, organizando a resistência dos trabalhadores e mantendo a independência política frente aos governos e ao Estado. No passado recente, organizações que surgiram desse processo de recomposição foram tragadas pelos governos de “esquerda”. < Post author
Publication Date