PSTU-RJ: Nota sobre a morte de Alfredo Sirkis

Morreu nesta sexta-feira (10/7), em um grave acidente de carro no Rio de Janeiro, Alfredo Sirkis. Escritor, jornalista e político, ligado às causas ecológicas, ele foi também um dos fundadores do PT e depois do PV.

Escreveu vários livros importantes, dentre eles “Os carbonários: memórias da guerrilha perdida” (1980), “A roleta chilena” (1981), “A guerra da Argentina” (1982). Nestas obras, ele narrou sua passagem pela esquerda armada brasileira e, posteriormente, o período de exílio no Chile, então governado por Salvador Allende, até que o golpe encabeçado pelo general Augusto Pinochet (em 1973) o empurrou para outro exílio, desta vez na Argentina. Outro golpe de estado, desferido contra o governo de Isabelita Perón (em 1976), mais uma vez o fez se exilar, indo então para a Europa.

Sirkis fez parte de uma geração de lutadores que se insurgiu contra a ditadura militar, no seu caso, de armas nas mãos, e enfrentou uma batalha desigual contra o aparato repressivo brasileiro. Ainda que não concordemos com o método e o programa guerrilheiro usado por ele, sua organização e muitos jovens da sua geração, reconhecemos a indiscutível bravura dos que o fizeram.

Ele teve em sua juventude a coragem e abnegação daqueles que arriscam suas vidas por um ideal de justiça e liberdade, em que pese as opções que fez depois, já no período democrático, inclusive de ter participado de administrações de governos burgueses, o que discordamos frontalmente e não prestamos apoio. Não deixamos, porém, de lastimar sua morte e de nos solidarizarmos com familiares e amigos neste triste momento.