Daniel Ruiz

Mais uma vez, está sendo demonstrado que os tribunais federais de Comodoro Py são contra os trabalhadores e suas lutas.

Na terça-feira, 30/06, um mês após a prisão no Uruguai de Sebastián Romero, extraditado em 25 de junho, o juiz interino do tribunal n ° 12, Canicoba Corral, negou o pedido de libertação de nosso companheiro.

Na resolução assinada por ele, assume a posição da acusação a cargo de Alejandra Mangaro e mostra mais uma vez sua total inconsistência em relação ao tratamento dos lutadores sociais.

Entre as considerações para negar a liberdade, escrevem “que Sebastián esteve ausente por 2 anos e meio, portanto ele não teria raízes familiares e sociais”. Mas quando essa mesma promotora me negou a liberdade em setembro de 2018, ordenando que eu fosse detido e deixado em uma prisão de segurança máxima, nunca levou em conta minhas raízes em Comodoro Rivadavia ou meus laços familiares ou profissionais. Portanto, para esta promotoria, qualquer argumento é viável para punir os lutadores, e o fazem por uma concepção, uma vez que o código penal processual é feito para os ricos. Sem ir muito longe, os proprietários do Banco Patricios, que enganaram milhares de poupadores, receberam apenas tarefas da comunidade como punição e, assim, podemos citar muitos casos semelhantes.

Isso demonstra o caráter de classe dos tribunais federais.

Dois anos e meio. O que resta para ser investigado?

Em outro argumento, a promotoria diz que, segundo a mídia, Sebastián poderia ter cometido os crimes de que é acusado.

Sem cair no ridículo da redação, 30 meses se passaram, fiquei preso por 13 meses, César Arakaki e Dimas Ponce também foram presos, o caso foi levado a um julgamento em andamento.

E o promotor escreve isso? O que a promotoria deve fazer depois de todo esse tempo é colocar as evidências em cima da mesa, para aparecer imediatamente no julgamento iniciado em 25 de novembro.

Por que eles não aparecem? É o que o atual governo e o Conselho Judicial devem considerar para avaliar a recusa desses juízes e promotores, no caminho para a nulidade de uma causa armada desde o governo anterior.

O verdadeiro caráter da causa

O caso foi orquestrado pelo poder político de Mauricio Macri e Patricia Bullrich com sua mesa judicial, a AFI e a mídia relacionada.

Mas a intenção deles é que os trabalhadores nunca pensem em lutar arduamente contra o capitalismo, seu Estado e suas instituições, incluindo as forças repressivas.

Por trás de toda essa perseguição e hostilidade, eles querem passar uma mensagem ao povo de que a violência só será usada pelos poderosos contra o povo lutador.

Mas este povo tem outra tradição: nos tornamos independentes do império espanhol e das invasões inglesas em 1800 com a mobilização e defesa com o que eles tinham em mãos.

O mesmo para se livrar da ditadura militar.

Mas se Mangaro e Canicoba Corral estivessem em 1800, eles teriam prendido San Martín, Belgrano, Güemes, e certamente os acusaria de não estarem enraizados por deixarem suas famílias para lutar pela libertação do país.

Redobrar a campanha

Enquanto a mesa judicial e seu braço da AFI macrista estão sendo detidos, a solidariedade com Sebastián continua a crescer nacional e internacionalmente.

Devemos seguir em frente, unindo todas as reivindicações em uma, porque se trata de alcançar a liberdade de Sebastián com a unidade de todas as lutas.

Com a mobilização, não apenas conseguiremos tirar nosso companheiro da cadeia, mas também colocar os responsáveis políticos da fome e da arbitrariedade judicial, como os ex-governantes de Cambiemos e todos os juízes e promotores que se vendem ao poder de turno.

Em um mundo de rebeliões, nada deve nos impedir, devemos mudar isso na raiz, criar outro tipo de país e outro tipo de justiça que não terá nada a ver com o que vemos hoje.

3 de julho de 2020