Protesto no MASP termina convocando novo ato para esta sexta

Terminou por volta das 19h o ato contra a vinda de Bush e pelo Dia Internacional da Mulher, no vão do MASP, na Avenida Paulista. Após os ataques da polícia, a coordenação do protesto decidiu não prosseguir com a passeata, realizando um ato no vão do MASP.

No ato, foi denunciada a ação violenta da polícia militar, que, após lançar bombas de gás e balas de borracha, espancou e prendeu diversos manifestantes. A exceção dos oficiais, todos os demais policiais atuaram sem identificação na farda, o que é obrigatório. De costas para a coluna da PM, os manifestantes cantaram palavras de ordem contra a repressão e queimaram bonecos de Bush e bandeiras norte-americanas.

Ao final, Zé Maria, da Conlutas, pediu aos manifestantes que deixassem o ato de forma organizada, em colunas, para evitar novos ataques. “O que aconteceu aqui hoje foi fruto da ação da polícia, que ataca os trabalhadores que lutam. Vamos terminar o ato e sair juntos daqui“. Zé Maria afirmou que o objetivo nunca foi entrar em confronto com os policiais. “Viemos hoje até aqui para lutar contra Bush. Como já dissemos, não viemos para brigar com a polícia. Quando for pra isso, nós viremos preparados para isso. Não é o caso de hoje.“, afirmou, sob aplausos.

Ele concluiu convocando um novo ato, na manhã desta sexta-feira, no vão do MASP. “Nossa luta não termina aqui. Continua amanhã, às 9h. E no dia seguinte. E no outro, até derrotarmos o imperialismo e o capitalismo“, afirmou.