Professores se mobilizam contra PCCS em Manaus

Professores de Manaus lutam contra Plano de Cargos
Reprodução

Os professores da rede municipal de Manaus estão em processo de mobilização pela retirada do Plano de Cargos, enviado à Câmara Municipal pelo prefeito Serafim Correa (PSB). O plano foi elaborado por uma equipe de Brasília com a conivência da diretoria do sindicato, vinculada ao PCdoB. Além de não ter sido discutido com a categoria, o Plano retira conquistas históricas, como a regência de classe, propõe, em vez de piso salarial, um subsídio rebaixado, exclui os funcionários que não fazem parte do magistério e restringe o direito de organização sindical.

Trata-se de um plano perfeitamente alinhado com os ditames neoliberais de sucateamento dos serviços públicos via terceirização, rebaixamento das condições de trabalho e salário.

Os professores, que já realizaram uma manifestação na Câmara Municipal no dia 29 de março e uma assembléia na Praça do Congresso, estão se organizando independente da diretoria do sindicato que, em vez de discutir com a categoria, está encastelada na Câmara Municipal pressionando pela aprovação do Plano. Um dos líderes do prefeito na Câmara que tem defendido o plano com toda ênfase é vereador pelo PCdoB e, até alguns meses atrás, era advogado do sindicato.

Na assembléia realizada ontem, os professores definiram intensificar a mobilização nas escolas e zonas e realizar mais um ato público em frente à prefeitura no dia 11 de abril. O movimento exige a imediata retirada do Plano e a abertura de ampla discussão com a categoria.

Os professores ligados à Conlutas, ao PSTU, ao PSOL e a outros agrupamentos regionais que estão à frente do movimento avaliam que a mobilização tende a ganhar força e, dependendo de como se desenvolver o processo, poderá chegar a uma greve para barrar mais esse ataque aos trabalhadores da educação.