Haverá segundo turno das eleições em 57 cidades no próximo dia 29, incluindo 18 capitais. Em Campinas (SP) também haverá segundo turno, entre dois representantes da burguesia: Dário Saadi (Republicanos) e Rafa Zimbaldi (PL).

Dário representa a continuidade de Jonas Donizete (PSB), que governou 8 anos para os ricos e abastados da cidade, para os empresários do transporte, para as empresas contratadas para ocupar os postos dos trabalhadores municipais, como a OS do Hospital Ouro Verde, suspeita de corrupção, aliado ao PSDB de Dória. Por tudo isso, temos a certeza que este candidato continuará a política de ataque aos trabalhadores e de não garantir as mínimas condições para enfrentar a pandemia de COVID-19, como uma quarentena de verdade e a garantia de renda para os mais pobres, desempregados e o pequeno comércio.

Rafa Zimbaldi (PL) também fez parte da base de apoio a Jonas Donizete. Zimbaldi quer surfar na onda, cada vez mais uma marola, de Bolsonaro, e segue a mesma política do presidente inimigo dos trabalhadores. Disse que vai economizar R$ 100 milhões nos 100 primeiros dias de governo e que vai apresentar ações para a atrair de novas empresas. Sabemos bem o que isso significa: mais ataques, mais sofrimento, mais privatização, menos serviços públicos. O mesmo que Bolsonaro faz a nível nacional.

Tanto ele quanto Dario, que fala em contratação de médicos – coisa que seu padrinho não fez em 8 anos – vão descarregar a crise econômica e da saúde, com a segunda onda da pandemia, em cima dos trabalhadores. Fazem promessas apenas para ganhar votos, para depois esquecer tudo o que disseram.

Nada falam sobre o aumento do número de casos de COVID nas últimas semanas, que já matou 1351 pessoas na cidade, e 273 novos casos nas últimas 24 horas. A segunda onda está aí, mas nenhum dos dois apresenta um plano decente para enfrentá-la.

Tanto Rafa Zimbaldi como Dário Saadi defendem o mesmo projeto de atacar os trabalhadores, desempregados, mulheres, negros e LGBTs. Querem privatizar os serviços públicos, dar privilégios e isenções aos grandes empresários e seguir pagando a falsa dívida pública.

Chega de governar para os ricos! Contra Zimbaldi e Dário, vote nulo

Por isso, chamamos a população trabalhadora de Campinas a se manifestar no segundo turno votando nulo. Nenhum voto a quem engana os trabalhadores com falsas promessas para depois governar para os ricos e endinheirados.

A situação da classe trabalhadora e do povo pobre exige medidas urgentes e radicais contra a pandemia, o desemprego, a fome e o genocídio da juventude negra. Isso só se faz combatendo o capitalismo, seus governos e seus partidos. É necessário parar de entregar dinheiro público aos tubarões do transporte, com a municipalização do transporte coletivo, parar de entregar os hospitais a empresas privadas e garantir a administração pública com contratação de mais servidores, é preciso requisitar leitos dos hospitais privados para enfrentar a segunda onda. Para combater a pobreza e o desemprego é preciso criar um programa de renda aos desempregados e informais, e um plano de obras públicas para gerar empregos e construir mais creches, postos de saúde, moradia, infraestrutura e áreas de cultura e lazer, isentar o pagamento de impostos, conta de água, luz e gás dos desempregados e da população pobre. Para isso, é preciso tirar o dinheiro que está concentrado nas mãos dos ricos: taxar as grandes fortunas, cobrar as dívidas das empresas e parar de pagar a dívida pública aos banqueiros.

Por isso, nós do PSTU apostamos na mobilização, organizando a classe trabalhadora para lutar por estas bandeiras e, além disso, avançar para tomar o poder das mãos dos ricos, pois não é possível nenhuma mudança fundamental na sociedade sem acabar com a burguesia e o capitalismo.

Seguiremos defendendo que é através da luta e da auto-organização do povo pobre e trabalhador que poderemos revolucionar o Brasil e o mundo. Essa é a alternativa socialista que apresentamos.

Em defesa da vida, do emprego, da renda e soberania, tirar dinheiro dos ricos!

Não pagamento das dívidas públicas municipal, estadual e federal!

Fora Bolsonaro e Mourão! Fora Dória e Covas!

Por um governo socialista dos trabalhadores, apoiado em conselhos populares!