Não é locaute. É greve!

Tem corrido pelas redes sociais a versão de que a greve dos caminhoneiros seria um “locaute”. Só para lembrar, “locaute” (do inglês lockout) é uma paralisação provocada pelos empresários. Nesse sentido, locaute é o contrário de uma greve que ocorre com a paralisação dos trabalhadores. Um exemplo de locaute foi a paralisação de 62 dias realizada em 2002 pela direção da PDVSA (petroleira do país) contra o então presidente Hugo Chávez, poucos meses depois da tentativa de golpe de Estado. Os opositores pretendiam derrubar o governo, mas o locaute fracassou.

Outro locaute famoso foi realizado em 1972 e 1973 por empresários chilenos contra o governo de Salvador Allende.  O locaute fracassou quando os trabalhadores decidiram enfrentar a conspiração para paralisar o país. Muitas fábricas foram ocupadas e os meios de transporte foram em muitos casos requisitados. Os comércios também foram abertos à força.

A atual greve dos caminhoneiros não tem em nada a ver com essa realidade como estão sugerindo muitos petistas e seus associados. Afinal, é desnecessário dizer que Temer está bem distante de ser um Salvador Allende…

A greve dos caminhoneiros é mais do que justa, colocou Temer nas cordas, tem apoio da população e coloca na ordem do dia a convocação de uma Greve Geral no país.  Além disso, ela também arrasta outros setores da classe trabalhadora que estão entrando em greve país afora.

Se fosse um locaute, a greve dos caminhoneiros não estaria sendo combatida pelos empresários, governos, Congresso e grande imprensa, como a Globo que chama os caminhoneiros de “chantagistas”. Até Jair Bolsonaro, candidato que tenta disputar o movimento, é contra o bloqueio de estradas. “Bloquear as estradas, não”, disse em entrevista.

Neste momento, a Justiça autorizou o uso do Exército para reprimir os bloqueios de caminhoneiros. O que farão aqueles que chamam a greve de locaute? Vão apoiar a repressão militar? E aqueles ativistas de direita que defendem uma intervenção militar no Brasil e estão disputando o movimento grevista? Vão saudar os militares que vão reprimi-los nos bloqueios de estradas?

Na verdade, quem chama essa greve de locaute quer esconder o nefasto papel que o PT cumpre em sustentar Temer no poder. Esse governo extremamente frágil só não caiu ainda porque PT, CUT, e as direções das centrais como a Força Sindical, se recusam a chamar uma Greve Geral no país. A Nova República está desmoralizada, os capitalistas divididos, mas uma explosão social que coloque abaixo todos os poderes só não acontece porque essas direções estão agarradas ao compromisso de sustentar esse regime.  Além disso, chamar o movimento de locaute é de fato “fazer o jogo da direita”. É se recusar a unir a classe trabalhadora e suas organizações para disputar a hegemonia deste movimento, criando as condições para uma Greve Geral que pare o país e derrube Temer.

LEIA MAIS

É hora da Greve Geral e de tomar as ruas