Estudantes têm primeira vitória contra a restrição do passe-livre em São Paulo

EMTU recua: primeira vitória dos estudantes! A nossa luta continua contra a retirada de direitos e por ampliação do passe-livre

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbano (EMTU) de São Paulo começou nesta semana um ataque aos direitos dos estudantes. Queriam restringir o passe-livre dos estudantes apenas aos horários em que tivessem aula. Um absurdo completo!

Diante disso, a juventude do PSTU e a ANEL, junto com outros coletivos e vários estudantes, tomou a iniciativa de convocar uma manifestação na sexta-feira, 25. Essa manifestação cresceu, ainda mais estudantes se somaram ao seu chamado e a luta vem se unificando cada vez mais desde então. Também surgiu a proposta de reunir todo o movimento no domingo para definir os próximos passos da luta.

A EMTU está com tanto medo da força dos estudantes mobilizados que entrou em contato conosco para supostamente negociar. Mas sabemos que eles queriam na verdade nos enrolar, pois temiam a manifestação em sua sede. Também não temos a prática de negociar pelas costas dos estudantes ou do movimento, por isso divulgamos uma declaração defendendo negociar com a manifestação lá na porta da empresa.

Tentando dar os anéis para não perder os dedos, na última resposta da EMTU, eles cancelaram os cortes dos passes-livres que já tinham feito. Cerca de 178 estudantes que estavam com seus bilhetes cortados tiveram seu bilhete desbloqueado e com o beneficio. Essa é uma primeira vitória muito importante para o movimento estudantil! Mas não nos basta, afinal a EMTU não garantiu o fim de todos e qualquer corte. É necessária a ampliação e menos dificuldade para garantir o passe-livre. Por isso, reforçamos a importância da presença de todos na manifestação de sexta-feira porque não vamos aceitar nada mais e nada menos que nenhum direito a menos, e só conquistaremos isso a partir da nossa mobilização.

A crise que está instalada no país hoje só comprova que a luta dos estudantes não pode estar descolada da luta dos trabalhadores. Em um país com o altíssimo índice de desemprego, ainda vemos os preços dispararem tornando a vida dos trabalhadores e da juventude um verdadeiro inferno. Diante desse cenário de aumento absurdo do preço dos combustíveis e da imensa força da greve dos caminhoneiros, assim como a luta de diversas outras categorias, esta manifestação dos estudantes deve estar a serviço da unificação das lutas.

É preciso uma greve geral no país não só para evitarmos os ataques ao passe-livre estudantil, mas também para conquistarmos nosso direito a uma vida digna e plena. O governo Temer, assim como o governo Márcio França/Alckmin, só ataca os trabalhadores. Fazem de tudo para garantir os lucros dos grandes empresários em meio à crise dos capitalistas. E nós dizemos que os ricos paguem a conta dessa crise. Temos que lutar para revogar a reforma trabalhista e outras leis criadas para retirar nossos direitos.  O transporte, saúde e educação tem que sair da mão dos grandes empresários, ter mais investimento público.

Com a manifestação de sexta queremos não só garantir o direito dos estudantes, mas também ser um ponto de apoio para, junto com os trabalhadores, incendiarmos o país com uma greve geral que derrube o governo Temer e todos que atacam os trabalhadores e a juventude. Nossa luta pelos direitos dos estudantes se combina com a luta da classe trabalhadora e não vamos parar até todos caírem!  Que os ricos e poderosos tremam, porque defendemos um governo socialista dos trabalhadores apoiados em conselhos populares que surjam nas lutas do povo e dos trabalhadores.

O ato ocorre nesta sexta-feira, 25, às 16h
Endereço: Rua Quinze de Novembro, 244, Sé, São Paulo
Confirme sua presença no ato aqui