Grito dos Excluídos e protestos contra a corrupção marcam o 7 de setembro

Em pelo menos 17 capitais, protestos contra a corrupção e o Grito dos Excluídos roubam a cena dos desfiles oficiaisDetalheJá se foi o tempo em que a data da comemoração da Independência era marcada pelos desfiles oficiais, tão promovidos pela ditadura. Em 2011, além dos protestos do já tradicional Grito dos Excluídos, que reúne as reivindicações dos movimentos sociais e partidos de esquerda, ocorreram em todo o país manifestações contra a corrupção e a “farra” dos políticos. Contra o cenário propagandeado por boa parte da imprensa e o governo, milhares de pessoas foram às ruas mostrando que há motivos para reclamar.

Enquanto o Grito é organizado por entidades dos movimentos sociais e populares, os atos contra a corrupção foram impulsionados de forma espontânea pela Internet, reunindo principalmente jovens. Marcados através do Facebook, as manifestações expressaram a indignação pelos recentes escândalos de corrupção e impunidade no Congresso e no governo, e a corrupção espalhada pelas mais variadas instituições. As bandeiras variaram de “Fim do voto secreto”, “Contra o aumento a deputados” a “Fora Teixeira”, referindo-se ao atual presidente da CBF.

Descontentamento nas ruas
Em São Paulo a 17ª edição do Grito dos Excluídos reuniu cerca de 1500 pessoas e entidades como a Pastoral Operária, Intersindical, CSP-Conlutas, MST, ANEL, e a base de categorias como bancários, professores, servidores públicos, além de ativistas de movimentos populares e de setores da igreja q eu mantem trabalho com populações de rua. Com o lema ‘Pela Vida Grita a Terra, por direitos todos nós´, os manifestantes se concentraram na Praça da Sé e seguiram em passeata até a Praça da Independência.

No mesmo momento, na Av Paulista, centenas de pessoas se concentraram na MASP para um protesto contra a corrupção. A manifestação, que reuniu majoritariamente a juventude, durou o dia todo e chegou a contar, segundo a imprensa, com mil pessoas. Bastante heterogênea, o ato contou com a participação da ANEL, de estudantes que reivindicavam o grupo de hackers Anonymous, entre outras organizações.

Já em Brasília houve o maior ato contra a corrupção, que chegou a reunir, segunda a própria Policia Militar, 25 mil pessoas. A cidade foi o foco da Marcha Nacional Contra a Corrupção, evento criado no Facebook. Com faixas contra a corrupção e a absolvição da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), flagrada recebendo dinheiro do ‘mensalão do DEM´, os brasilienses ofuscaram a comemoração do 7 de setembro na capital. Os manifestantes pediram o fim do voto secreto e a punição dos corruptos.

Em Minas o Grito e o ato contra a corrupção confluíram num único ato na Praça da Liberdade, no centro de Belo Horizonte e, à tarde, na Praça da Assembleia, reunindo dezenas de manifestantes. Já na capital gaúcha, o protesto contra a corrupção reuniu 300 pessoas no Largo dos Açorianos, e percorreu as ruas do centro de Porto Alegre até o Parque da Redenção. Em determinado momento, a manifestação chegou a atrair parte das pessoas que assistiam o desfile oficial.

LEIA MAIS

  • A direita e a desconfiança dos partidos