Dois Brasis

Após oito anos, Brasil continua um campeão da desigualdadeMuitos trabalhadores associam o governo Lula ao combate à miséria e à desigualdade. O carro-chefe da propaganda governista são as medidas assistencialistas que não enfrentam os problemas estruturais da pobreza em nosso país. O governo tenta nos convencer que seria possível acabar com a desigualdade social com um programa assistencialista que gasta apenas 0,3% do PIB, como é o Bolsa Família.

Mas, após oito anos, o Brasil continua com uma injusta distribuição de renda. Enquanto os 10% mais ricos ficam com 50% da renda do país, os outros 50% mais pobres recebem apenas 10%.

Além disso, segundo relatório da ONU divulgado em julho, o Brasil tem o terceiro pior índice de desigualdade no mundo, sendo um dos países que mais apresentam distância entre pobres e ricos.

O pior é que os mais afetados são as mulheres (que recebem salários menores que os homens), os negros e os indígenas. No Brasil, apenas 5,1% dos brancos sobrevivem com o equivalente R$ 54 por mês. O percentual sobe para 10,6% no caso de índios e negros.

Acabar com a desigualdade exige uma mudança radical na política econômica. Uma transformação que signifique oferecer pleno emprego aos trabalhadores e à população pobre em vez de programas de ajuda que não concedem uma vida digna, apenas congelam a miséria.

Post author
Publication Date