Deputados estaduais trazem solidariedade aos sindicalistas demitidos da Volks

Deputados no carro de som, junto aos demitidos
Arte sobre foto de Emmanuel de Oliveira

Na sexta-feira, 4 de maio, completaram-se 51 dias de acampamento dos diretores do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, demitidos da Volkswagen no início do ano, Rogério Romancini, maquinista, e Luís Carlos da Silva (“Biro-Biro”). Mais uma vez, parlamentares participaram de ato em frente à empresa, prestando solidariedade aos demitidos. Dessa vez, compareceram os deputados estaduais Carlos Giannazi e Raul Marcelo ambos do PSOL.

A atividade aconteceu na saída do turno da manhã. Participaram, também, membros do comando de greve dos servidores públicos de Diadema, que pararam durante 17 dias. Eles trouxeram apoio aos sindicalistas.

O deputado Marcelo que “o que está em jogo com essas demissões são dois projetos de sindicalismo, um que defende a parceria com os patrões que aceita as demissões, o banco de horas, etc., e o outro que é o sindicalismo que está contra a parceria contra as demissões”. Concluiu dizendo que “o sindicalismo feito por esses diretores é o sindicalismo autentico”. Marcelo lembrou, ainda, que quem está do outro lado do balcão negociando empréstimo para o BNDES são os que não estão fazendo nada para a volta de Rogério e Biro-Biro.

Giannazi declarou que está fazendo uma oposição de esquerda ao governo federal ao dizer que “o governo Lula está querendo fazer mais uma reforma da Previdência e colocou o Marinho como ministro com o objetivo de aumentar a idade para 65 anos para o trabalhador se aposentar. A reforma trabalhista quer retirar direitos como o décimo terceiro, reduzir a licença maternidade, etc. A nossa oposição ao governo é de esquerda” .

Embora a solidariedade tenha aumentado, ainda não foi suficiente para fazer com que a empresa reveja a sua posição quanto às demissões. Mais uma vez, a grande ausência ficou por conta da direção do sindicato, que, ao que tudo indica, não vai fazer nada pela reintegração dos diretores. Ao contrário, jogou os companheiros “às cobras”.

  • Participe da campanha pela reintegração