Delegação haitiana chega ao Brasil para denunciar ocupação

Uma delegação de três haitianos desembarcou no Brasil, nesta terça, dia 16, com o objetivo de reforçar a campanha internacional pela retirada das tropas de ocupação da Organização das Nações Unidas (ONU) do país caribenho. A ocupação militar, liderada pelo Brasil, completou cinco anos neste mês e sempre foi alvo de várias denuncias de praticar abusos e desrespeitar os direitos humanos. Desde o início da missão, o Brasil já gastou cerca de R$ 700 milhões.

Os integrantes da delegação são Carole Pierre Paul-Jacob, da Solidariedade das Mulheres Haitianas (SOFA); Frantz Dupuche, da Plataforma Haitiana em Defesa de um Desenvolvimento Alternativo (PAPDA); e Didier Dominique, da Central Sindical e Popular Batay Ouvrier (BO).

Até o dia 25, a delegação vai se dividir para participar de dezenas de atividades em todas as regiões do país. Neste dia 17, Didier Dominique participa de uma Audiência Pública no Senado Federal. Na ocasião, o sindicalista pretende denunciar a situação de exploração dos trabalhadores haitianos e de como a ocupação militar se presta a reprimir suas mobilizações.

O Haiti vive uma situação de pobreza extrema. Cerca de 80% da sua população vive abaixo da linha da pobreza, com uma expectativa de vida de apenas 51 anos. No dia 4 de junho, os haitianos saíram às ruas para pedir o reajuste do salário mínimo vigente, congelado desde 2003. O protesto cobrava a implantação de uma lei aprovada em Abril pelo Congresso Nacional do Haiti que reajusta o salário mínimo de U$ 1,7 diários (R$ 2,30) para cerca de 4 dólares diários (R$ 7,80).

No entanto, dezenas de estudantes universitários foram presos ou ficaram feridos, e um deles foi baleado na cabeça, durante manifestações na capital do país. Os tiros partiram da Polícia local, e também da Minustah.

Será essa situação que os haitianos irão expor em diversas atividades programadas em várias cidades brasileiras. Ainda em Brasília, no dia 17, Didier Dominique vai se reunir com membros do Itamaraty e participa de um protesto realizado pelos servidores federais na capital federal. Posteriormente, Didier participará de atividades em Goiânia, Minas Gerais e São Paulo.

Em São Paulo, está programado um debate com Carole Pierre Paul-Jacob para o próximo dia 19. O Evento será realizado a partir das 19h, na sala 239, na PUC-SP, e contará com a participação da APROPUC (Associação dos Professores da PUC). Carole irá também a Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.