Criada frente para lutar contra as reformas

Reunião em Brasília aprova encontro nacional para lutar em defesa da Previdência e dos direitos trabalhistasNo dia 29 de novembro, ocorreu em Brasília uma importante reunião que avançou na organização unitária dos trabalhadores na luta contra as reformas neoliberais. A reunião contou com a presença de 69 pessoas, representando diversas entidades. Além da Conlutas (presente por meio da Federação Democrática dos Metalúrgicos de Minas Gerais, do ANDES/SN, do SINASEFE, da Federação Nacional dos Gráficos, da Oposição Bancária de São Paulo, Oposição Alternativa da Apeoesp), participaram também CNTC, CNTA, COBAP, CNTTT, CNTEEC e várias outras confederações, federações e sindicatos de trabalhadores.

A reunião teve uma única pauta: a construção da unidade dos trabalhadores para lutar contra as reformas da Previdência e trabalhista. Os participantes foram unânimes em alertar para o caráter nefasto das reformas para os trabalhadores.

Anjo exterminador
Lula quer tirar proveito de seu passado como ex-dirigente sindical para enganar a população e aprovar as reformas neoliberais.

Por isso o governo realiza uma intensa campanha de mídia e apresenta a reforma da Previdência como uma necessidade para combater a falácia do “déficit da Previdência”. Na verdade, a Previdência é superavitária e o verdadeiro objetivo do governo é ampliar a idade mínima para a aposentadoria e desvincular o piso previdenciários do salário mínimo para pagar as dívidas, aumentando os rendimentos do capital financeiro.

Já a reforma trabalhista pretende destruir com os direitos históricos dos trabalhadores, como a multa de 40% do FGTS por demissão sem justa causa, o fim do 13° salário, das férias e da licença-maternidade. Aqui o objetivo também é beneficiar os empresários, diminuindo suas despesas com encargos trabalhistas para aumentar seus lucros.

Para aprovar as reformas, Lula vai contar com o apoio e a colaboração da CUT governista, que tentará desmontar qualquer enfrentamento com o governo e confundir os trabalhadores.

Uma frente de luta
As entidades presentes na reunião julgaram inadiável a tarefa de organizar uma ampla unidade para vencer a batalha contra as reformas do governo. Por isso, os ativistas presentes construíram a Frente Nacional Contra as Reformas Neoliberais e em Defesa dos Direitos Sociais, Sindicais e Trabalhistas, concretizando a unidade. “O objetivo é ampliar a participação na frente com mais ativistas e entidades que desejam lutar contra as reformas. Fazemos um chamado a todos os lutadores que pretendem lutar pelos nossos direitos a se integrar à frente”, disse José Maria de Almeida, da Conlutas.

A reunião também aprovou propostas de ação imediata contras as reformas. Entre as principais medidas aprovadas está o lançamento de um manifesto da frente, cujo objetivo é fazer a mais ampla divulgação das ameaças aos direitos dos trabalhadores. Com o manifesto, será preparada uma proposta de material para a campanha (logomarca, cartaz, adesivo etc). Também serão produzidos textos, em linguagem de fácil acesso, para ser utilizados pelas entidades em seus boletins e informativos.

Por fim, a reunião aprovou a realização de um grande encontro nacional aberto à participação de todos os ativistas combativos, para desencadear uma forte mobilização nacional contra as reformas no próximo ano. A proposta é fazê-lo no início de 2007, mas até lá as entidades sindicais pretendem ampliar as discussões nas categorias.

LEIA TAMBÉM

  • Leia o manifesto da Frente Nacional Contra as Reformas
  • As mentiras na reforma sindical e trabalhista