Vereadores deixam o PT em Niterói

Cyro Garcia fala pelo PSTU no ato de Niterói

O esquema da direção do PT para financiar campanhas e comprar deputados foi a gota d’água que tem feito com que mais e mais militantes deixem o partido. No dia 15, foi a vez de mais de cem assinarem sua desfiliação, entre eles os vereadores Paulo Eduardo Gomes e Renatinho.

Os militantes assinam o manifesto “Para Além do PT”, que expressa a decisão dos militantes de abrir mão da disputa interna. Ao contrário das correntes que participaram das eleições diretas neste domingo, apostando em uma derrota do Campo Majoritário, os militantes presentes ao ato não acreditam em uma “refundação” do partido. “Já não havia o que disputar e muito menos como disputar, neste ambiente onde nossos métodos socialistas são derrotados pelos do capital”, afirmam em um trecho do texto. Em outra parte, avaliam o real significado das mudanças na direção petista, com a saída de Delúbio e Silvio Pereira, entre outros: “Jogam as malas ao mar. Saem alguns dos principais dirigentes. Mas fica o grosso da tripulação que conduziu o PT, e continuará conduzindo, ao mais profundo rebaixamento político e ético”.
A desfiliação foi marcada com um grande ato na Câmara de Niterói, com cerca de 250 pessoas, de cidades como Rio de Janeiro, São Gonçalo, Niterói, Petrópolis, Cabo Frio e Rio Bonito. Entre eles, muitos lutadores do movimento sindical e estudantil, como dirigentes dos DCEs da UFRJ, da UFF, da UERJ e da PUC.

O PSTU esteve no ato e foi representado por Cyro Garcia, que saudou a iniciativa e recordou as diversas lutas em que estiveram juntos. Para esses militantes, um dos principais debates a serem feitos é sobre os caminhos depois do PT. Em seu manifesto, afirmam que “o Partido dos Trabalhadores perdeu sentido, mas a luta dos trabalhadores, não” e defendem “a unidade dos partidos socialistas – PSTU, PSOL, PCB, PCO, PCML dentre outras organizações”. Este será um dos temas abordados por Valério Arcary e Paulo Eduardo, na sexta, 23, às 18h30, em debate promovido pelo PSTU e pelo Reage Socialista. O tema será `A Falência do PT e a construção de um partido revolucionário` e acontecerá no IFCS da UFRJ, no Centro do Rio de Janeiro.

Veja abaixo o manifesto `Para além do PT`

PARA ALÉM DO PT

Este manifesto reúne antigos e novos militantes do Partido dos Trabalhadores.

Todos nos declaramos fora do PT. Alguns com muita tristeza. Outros apenas lamentando a curta experiência de uma tentativa generosa. Todos, entretanto, sabendo que o Partido dos Trabalhadores perdeu sentido, mas a luta dos trabalhadores, não.

Dissemos muitas vezes que o PT estava abandonando a sua causa: a transformação da sociedade. Este abandono começou nas bandeiras rebaixadas e propostas esquecidas. No distanciamento dos movimentos sociais, da vida real dos trabalhadores e na aproximação cada vez maior com a política tradicional e seus métodos. Na valorização do capital, em detrimento do trabalho, expressa, por exemplo, nas campanhas eleitorais cada vez mais caras e no uso do dinheiro, dos cargos e das vantagens como fator de convencimento e arregimentação.

Já se revelava nas práticas e comportamentos adquiridos: as convenções assaltadas por votantes arrebanhados em ônibus e vans, filiações fraudulentas, que apenas no Rio de Janeiro chegaram a mais de 10.000, compra de delegados com promessas de emprego e outras vantagens materiais, “militantes” de campanhas eleitorais e “bocas-de-urna” remunerados, além de outras formas disfarçadas de compra de votos.

Aprofundou-se nas alianças com partidos a serviço de interesses opostos aos dos trabalhadores e na defesa de projetos e propostas neoliberais: da reforma da previdência à liberação dos transgênicos, do arrocho-salarial dos servidores públicos à mercantilização do ensino superior.

Finalmente, coroando tudo isto, o Caixa 2 de Delúbio Soares e Marcos Valério. Uma fortuna usada claramente para reforçar a campanha dos candidatos do chamado Campo Majoritário e de suas linhas auxiliares, que não são poucas.

Nossas críticas, a crítica de todos os setores de esquerda, internos e externos ao PT, a crítica de setores progressistas das igrejas, a crítica de intelectuais de todos os matizes, a crítica dos movimentos populares… Nada, absolutamente nada, os fez mudar os rumos do governo e do partido.

Tornamos a dizer: “podemos ser tolerantes com o tempo, mas não com os rumos”.

Não se tratava de ser mais ou menos rápido nas mudanças necessárias. Tratava-se de tomar o rumo certo. Tratava-se de seguir na direção dos trabalhadores e de suas necessidades, ainda que a velocidade fosse lenta, determinada pelo possível.

Mas, a cada dia, o Campo Majoritário levava e leva o PT à opção pelos ricos. Nem os escândalos do Caixa 2 os fazem reconhecer o erro. Ao contrário, a crise reforça suas alianças espúrias, agora com o PP, depois com o PMDB.

Na direção nacional do Partido, jogam as malas ao mar. Saem alguns dos principais dirigentes. Mas fica o grosso da tripulação que conduziu o PT, e continuará conduzindo, ao mais profundo rebaixamento político e ético.

Nos estados e municípios, os parceiros de Dirceu, Delúbio e Sílvio Pereira, o Campo Majoritário, isto é, a tendência Articulação e seus aliados – continuam incólumes, estruturados e prontos para continuar à frente do Partido. Contam com o apoio remunerado dos ocupantes de cargos e beneficiários dos favores do aparelho partidário e público.

Em abril passado, lançamos o manifesto 13 razões para não participar do PED o Processo de Eleições Diretas internas, do PT. Já não havia o que disputar e muito menos como disputar, neste ambiente onde nossos métodos socialistas são derrotados pelos métodos do capital.

Há porém a pergunta de muitos militantes: o que fazer, depois do PT?

Ainda que alguns julguem que a política se encerrou com o PT, nós reafirmamos que existe política para além do PT. Principalmente porque continuam as desigualdades, a exploração, as discriminações, as injustiças sociais e legais, a corrupção, a ação destruidora do imperialismo e, por conseqüência, a necessidade de lutar contra tudo isto e construir um mundo diferente.

Nossa proposta é de superarmos a leitura de que a política só existe em sua versão institucional e legal: os partidos oficiais.

Os partidos oficiais são o meio das frentes de luta institucionais: parlamento e governo.

Estas frentes de luta institucionais são importantes, mas não as únicas, nem as principais. Para ser conseqüentes, elas dependem da energia que só as lutas sociais imprimem.

Queremos prioritariamente ajudar a organização, a mobilização e a formação – nossa, dos trabalhadores e da juventude. Queremos contribuir com a construção de uma imprensa socialista que vá além dos muros acadêmicos. Ir ao encontro dos trabalhadores, que foram eclipsados na onda de renegação do socialismo que contaminou grande parte da esquerda, sob o discurso do fim do trabalho. Mas, por considerar necessário o partido político pleno – combinando ação direta e institucional – continuaremos empenhados na construção da unidade da esquerda, por um novo partido socialista.

Nós reconhecemos a importância dos Partidos políticos organizados, legais – PCB, PSTU, PCO, PSOL – e não formalmente legais – PCML, entre outros. Mas nós estamos nos dirigindo a todos estes companheiros com a mesma proposta que fizemos há dois anos nos encontros pela formação de um novo partido: precisamos nos re-unir, porque temos uma origem comum e um mesmo objetivo – o socialismo. Além disto, temos um desafio que precisa de todos.

Não desconhecemos as contradições, as matrizes diferentes, as experiências e, nestas, as mágoas e os ranços existentes. Mas, principalmente, não desconhecemos o peso dos adversários, os meios e armas que possuem, inclusive os meios e armas da comunicação e da guerra.

Temos portanto enorme tarefa, o suficiente para fazer sombra sobre nossas diferenças.

A luta pela transformação social, econômica e política, não surgiu hoje, nem com o PT. Tem uma longa história, uma história secular. Para ser preciso, o PT, dos anos 1980, foi mais um reinício que chega ao fim exatamente pela perda das referências de origem.

Cabe retomar, com vigor, o esforço pela unidade da esquerda, ajudando a construir uma alternativa ampla, como o momento exige, e transformadora, como queremos.

Nunca como hoje dizemos com tanta convicção e significado que a luta continua. Até porque quem tem princípios não tem medo de recomeçar.

Assinam este Manifesto:

Paulo Eduardo Gomes Ex-presidente e Vereador PT Niterói
Renatinho Vereador PT Niterói
Benoni Alencar Pereira Ex-Presidente PT Niterói
Cláudio Roberto Marques Gurgel Diretório Estadual PT-RJ e ex-Presidente do PT Niterói
Eduardo Henrique de Castro Araújo Ex-Presidente PT Niterói
Menandro Sandes Lima ex-presidente PT Niterói
Alexandre Mendes DCE PUC-Rio
Alexandre Muniz “Camon” PT Niterói
Alexandre Correa Palhano PT Niterói
Aloisio Pereira do Carmo Núcleo UFF PT São Gonçalo
Amanda Rodrigues DCE-UERJ
Ana Lívia Ramalho Braz da Cunha Associação Socialista
Anderson Gomes Dutra PT Niterói
Bianca Jägger Bettine DCE-UFF
Carla Martins Coelho PT Niterói
Carlos Alberto de Souza PT Rio de Janeiro
Carolina Barreto da Silva Gaspar DCE-UFRJ
Carolina Rimolli de Castro Araújo PT Niterói
Catharina Marinho Meirelles PT Niterói
Cecília Coimbra PT Rio de Janeiro
Célia Coleta Diretório Municipal PT Rio Bonito
Cenilton Pereira do Amaral PT São Gonçalo
Clarissa Thomé PT Niterói
Clarisse Toscano de Araújo Gurgel DCE PUC-Rio – PT Niterói
Claudio Correia Associação Socialista
Cristina Palhano PT Niterói
Dalcy Pinto Correia Sindicato Rodoviário / Aposentado
Daniel Mendes Mesquita de Sousa CAFAU-UFRJ – Diretório Municipal PT Niterói
Davi Salvador Executiva Municipal PT Rio Bonito
Deuza Volpi de Oliveira PT Niterói
Diego Rimolli de Castro Araújo PT Niterói
Diogo Lopes Carvalho Ex-Executiva Municipal PT Niterói
Edith David Ex-Diretório Municipal PT Niterói
Maria Elena Rimolli de Castro Araújo PT Niterói
Eliane de Castro Miranda PT Rio de Janeiro
Eloisa Maria Vieira de Almeida Núcleo de Mulheres PT Niterói
Ezequiel Vicente Gongora PT Niterói
Fernanda Maria da Costa Vieira PT Niterói
Fernanda Rimolli de Castro Araújo PT Niterói
Fernando Tinoco Assoc. dos Sitiantes da Serra da Tiririca
Flávio Helder PT Rio de Janeiro
Francisco Antônio Neto Ex- dirigente do SINTTEL e PT Rio de Janeiro
Francisco de Assis Palharini PT Niterói
Genosita Girolla PT Rio de Janeiro
Giovana Thomé PT Niterói
Guilherme Lúcio Abelha Mota Associação Socialista
Gustavo França Gomes Diretório Municipal PT Niterói
Henriqueta Monteiro Figueiredo PT Niterói
Iara da Fonseca Vaz PT Niterói
Isabel Fernandes DCE UFRJ
Ivo Calhau Barbosa PT Niterói
Jairo Selles Militante PT Niterói
Joana D`Arc Ferraz PT Rio de Janeiro
João Batista da Cunha Comitê de Luta contra ALCA-RJ
Jorge da Conceição Gomes PT Niterói
Jorge Garcia Militante PT
Jorge Pinto Medeiros Neto PT Niterói
José Ricardo de Oliveira Lessa Ex-Pres. da Assoc. dos Trabalhadores da Saúde de Niterói e PT Niterói
Juan Pablo Painceira Paschoa PT Niterói
Júlio Eduardo Monteiro PT Niterói
Julio César Silva Erthal PT Niterói
Júlio Carlos Figueiredo Diretório Municipal PT Niterói
Laís Gomes PT Niterói
Laura Leboso Alemparte Abrantes dos Santos DCE-UFRJ
Leandro Mettidieri Figueiredo PT Niterói
Lilian Moura SINTUFF e PT Niterói
Luiz Américo Figueiredo PT Cabo Frio
Luiz Carlos Ferreira de Souza PT Niterói
Luiz Carlos Manhães de Carvalho Ex-Diretório Municipal PT Niterói
Luiz Felipe da Fonseca Vaz PT Niterói
Luiz Fernando Nabuco de Araújo Militante PT Niterói
Lygia Martins Coelho PT Niterói
Maíra de Oliveira Alves PT Niterói
Manoel Martins PT Niterói
Manoela Brasil França PT Niterói
Marcelo Chalreo Ex-Diretório Municipal PTNiterói
Marcelo Filippo Comitê contra a ALCA-RJ e PT Petrópolis
Marcia Chaves Salles PT Niterói
Márcia Denise de Canena Ex-Diretório Municipal PT Niterói
Marco Antônio Monteiro Coutinho Ex-Diretório Municipal PT Niterói
Marco Cicero Nunes Cordeiro Associação Socialista
Marcus A. Peruso “Trog“ PT Rio de Janeiro
Margarete Maria Martins SEPE – Niterói
Maria Amélia Pereira Guinin Macedo PT Niterói
Maria Ângela Furtado Siani PT Niterói
Maria Cecília Duarte de Carvalho PT Niterói
Maria Cristina do Amaral Silva PT Niterói
Maria de Fátima Alves da Silva PT Niterói
Maria Lídia Fonseca da Costa PT Niterói
Maria Lucia Teixeira Polônio PT Niterói
Mariana Timótheo da Costa Pardal PT Niterói
Mariana Trotta Dalallana Quintans PT Rio de Janeiro
Mariano Rimolli de Castro Araújo PT Niterói
Natasha Fonseca da Costa PT Niterói
Olga Ceotto Militante PT
Octávio Bateman Hippertt da Gama ex-Executiva Municipal PT Niterói
Patrícia Cavalcante Cordeiro DCE-UFRJ e Diretório Municipal PT Niterói
Paula França Gomes PT Niterói
Pedro Martins Coelho DCE-UFRJ PT Niterói
Rafael Cavalcante Cordeiro Associação Socialista
Rafaela Magnani DCE- UFRJ
Reginaldo José da Costa PT Nietrói
Ricardo Luiz Nogueira Vaz Ex- Diretório Municipal PT Niterói
Rodrigo Lopes Machado PT Niterói
Rodrigo Maia Santarosa PT Niterói
Rodolfo França Gomes PT Nietrói
Rodrigo de Azevedo Cruz Lamosa DCE-UFF e PT Niterói
Rodrigo Nogueira Militante PT
Sergio de Britto Cunha Filho Associação Socialista
Sidênia Sidrião Ex PT Niterói
Sonia França Gomes PT Niterói
Stela Regina Francia de Araújo Ex-diretório PT Niterói
Tatiana Holanda Martins Neves Militante PT
Thaissa Poyares Machado Ex-DA de Direito da UNIRIO
Walderllei Giarolla Rádio Bicuda – PT Rio de Janeiro
Wladimir Lacerda Santa Fé Ex-PT Niterói