Uma trajetória de lutas

1975 – Começa a atuar no movimento operário em Santo André sob a ditadura militar.

1977 – Distribuindo um boletim, é preso. Fica detido 34 dias e é torturado.

1978 – Um dos organizadores da greve da Cofap, participa da fundação da Convergência Socialista. É preso por 13 dias.

1979 – Membro do comando dos metalúrgicos de Santo André, ABC, é um dos coordenadores da primeira greve geral da categoria. Propõe a fundação de um Partido dos Trabalhadores no Congresso dos Metalúrgicos na cidade de Lins (SP).

1980 – É preso junto com Lula e outros 10 sindicalistas do ABC e enquadrado na Lei de Segurança Nacional.
Participa da fundação do PT, no Colégio Sion em SP.

1983 – É delegado no Congresso de fundação da CUT.

1984 – Desempregado no ABC, muda-se para Minas Gerais.

1987 – Éleito diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de BH e da CUT-MG.

1989 – É o principal dirigente da ocupação da Manesmann por 11 dias.

1991 – É eleito pela primeira vez para a Executiva Nacional da CUT.

1992 – Com a Convergência, é expulso do PT por defender o Fora Collor.

1994 – Funda o PSTU e é eleito para a sua direção.

1995 – Participa da greve dos petroleiros e dos servidores públicos.

1998 – É candidato a presidente da República pelo PSTU.

1999 – Oraganiza a marcha dos 100 mil à Brasília pelo Fora FHC e o FMI.

2001 – Participa das lutas, greves e de manifestações internacionais.