Uma mulher trabalhadora para a prefeitura do Recife

Kátia Telles é funcionária pública federal e é a única mulher no pleito. A sua campanha estará voltada para a defesa das reivindicações dos trabalhadoresQuais são os principais problemas que a população enfrenta?

São problemas urbanos gerados por décadas de dominação da burguesia que levaram a uma falência múltipla da cidade. Segundo dados de instituições internacionais, Recife é considerada a quarta pior cidade do mundo para se viver. É uma das campeãs em violência contra mulheres, homossexuais e jovens entre 15 e 25 anos. Os indicadores sociais são terríveis. Em qualquer item que se considere, vivemos na barbárie, principalmente em termos de condições sanitárias e Saúde Pública. Na Saúde privada, há o famoso pólo médico do Recife, com hospitais e clínicas tipo hotel cinco estrelas, cujos maiores representantes são o atual ministro Humberto Costa e os vampiros da Saúde. Por outro lado, testemunhamos um verdadeiro estado de calamidade pública: leptospirose, leishmaniose, dengue e outras doenças provocadas pela miséria e falta de informação.

Como resolver isso?

Temos de fazer uma intervenção na rede de Saúde, pública e privada, abrindo todos os hospitais e clínicas para resolver este estado de calamidade. Devemos estatizar todos os hospitais que se negarem a implementar um plano de proteção pública para salvar a vida dos trabalhadores pobres. Devemos prender tanto os que boicotarem este plano, como também todos os participantes em fraudes e desvios de verbas, como os envolvidos nos recentes escândalos dos vampiros, formados por lobistas, tucanos e petistas.

Não houve uma melhoria na vida do povo depois que o PT assumiu a Prefeitura?

De maneira nenhuma. A Prefeitura de João Paulo está a serviço dos grandes empresários e em parceria com o governo Jarbas. Ainda no governo de Roberto Magalhães (PFL-PMDB), o PT votou a favor da privatização da Companhia de Transportes Urbanos (CTU), aumentando o lucro dos cartéis do transporte. O resultado é fácil de verificar: hoje, no Recife, 52,80% da população anda a pé ou de bicicleta, não existe transporte fluvial, os trens foram extintos, o metrô está estagnado e ameaçado de privatização e, por último, houve uma disputa entre a pequena burguesia proprietária de vans e os barões do transporte. O PT e Jarbas intercederam contra os kombeiros, numa violência só vista na época da ditadura militar. Também reprimiram o movimento dos sem-teto, dos camelôs, dos professores e dos servidores municipais. Onde o prefeito passa é vaiado pelo povo.

Qual a proposta do PSTU para esse problema dos transportes?

Organizar o povo, a juventude e os trabalhadores para enfrentar os barões do transportes e seus agentes. Acabar com os lucros dos patrões, garantir a existência do metrô público e estatal e reestatizar a CTU para reconstruir a frota de ônibus. Temos de garantir o passe-livre para estudantes, desempregados, idosos e deficientes. Tudo isso pago com o fim dos lucros dos patrões. Eles que paguem a crise gerada por eles mesmos.

Você acha que a burguesia aceitaria essa proposta com tranqüilidade?

Nem a burguesia, nem os governos de Jarbas e Lula e nem uma instituição do Estado burguês. Porque, para realizar isso, temos de romper com o pagamento da dívida municipal e com a Lei de Responsabilidade Fiscal do FMI. Sabemos que as eleições, manipuladas pela burguesia, não irão melhorar a vida do povo. As máfias da oposição de direita, como Cadoca (PMDB) Joaquim Francisco (PTB), Raul Jungman (PPS) não são alternativas aos governos traidores de Lula e João Paulo. Precisamos de uma oposição de esquerda para o Recife.

Post author Kátia Telles, candidata à Prefeitura do Recife
Publication Date