Trabalhadores da GM de São José dos Campos conquistam 8,3% e R$ 1.950 de abono

Proposta foi aprovada pelos trabalhadores dos dois turnos nesta segundaNuma grande vitória da categoria metalúrgica, os trabalhadores da General Motors de São José dos Campos arrancaram reajuste salarial de 8,3% e abono de R$ 1.950 na campanha salarial deste ano. A proposta foi aprovada pelos trabalhadores em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (21), no pátio da GM.

O acordo confirma a força dos metalúrgicos de São José dos Campos, que realizaram quatro paralisações desde o último dia 10, em resposta às propostas rebaixadas apresentadas pelo Sinfavea (Sindicato dos Fabricantes de Veículos Automotores) e, depois, pela própria GM. As primeiras propostas previam apenas reposição da inflação.

As negociações com a montadora terminaram na última sexta-feira, em audiência de conciliação realizada pelo TRT, entre a montadora e o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, filiado à Conlutas. Naquele mesmo dia, os trabalhadores já haviam iniciado uma nova greve por tempo indeterminado.

Na assembleia da tarde de hoje, cerca de 6 mil trabalhadores dos primeiro e segundo turnos aprovaram o reajuste e voltaram ao trabalho.

O reajuste de 8,3% proposto na audiência do TRT contempla salários de até R$ 7 mil. Acima desse valor, haverá um reajuste fixo de R$ 581. Também ficou definido o pagamento pela GM de 50% dos dias parados (a outra metade será compensada pelos trabalhadores) e aumento do piso salarial de R$ 1.250 para R$ 1.305,50. O acordo beneficiará os trabalhadores da GM de São José dos Campos e de São Caetano do Sul (SP).

Além disso, em outra grande vitória da categoria, a GM vai reintegrar os diretores sindicais Sebastião Francisco Ribeiro e Eliane dos Santos, que também são funcionários da empresa e foram demitidos por justa causa durante a greve na montadora.

Acordo é superior ao fechado pela CUT
O índice fechado na GM deverá servir de parâmetro para outros setores metalúrgicos da região que, por enquanto, oferecem apenas 1% de reajuste salarial.

Como uma das mais importantes categorias da classe operária do país, os metalúrgicos de São José dos Campos deram uma forte resposta aos Sindicatos do ABC e de Taubaté, filiados à CUT, que negociaram propostas rebaixadas com a patronal antes de intensificar as mobilizações da categoria, prejudicando o andamento da campanha nas outras bases.

Os trabalhadores, com mobilização, junto com a Conlutas, outros sindicatos combativos e, até contra direções pelegas, passaram por cima dessa traição e estão arrancando aumentos superiores. Foi assim em regiões como Campinas e no Paraná. Essas conquistas dão força às mobilizações que estão em andamento.

“Os metalúrgicos da GM deram um grande exemplo de luta e resistência nessa campanha salarial. Fomos pra cima da empresa e não tivemos medo de lutar por melhores propostas. Essa postura foi fundamental para nossa conquista. Agora, vamos intensificar a luta dos outros setores, que ainda não apresentaram proposta favorável”, afirma o presidente do Sindicato, Vivaldo Moreira Araújo.

“O momento agora é de unificar as lutas de todos os trabalhadores em Campanha Salarial. Só assim vamos fortalecer as mobilizações e garantir conquistas. A CONLUTAS faz um chamado às demais centrais para que realizemos um Dia Nacional de Paralisação das categorias em luta para ampliarmos as conquistas para todos”, concluiu.