Toninho vai a fábricas, feiras e ao centro de São José dos Campos agradecer votos

Apoiador ajuda Toninho a panfletar

Candidato a vereador pelo PSTU é o quinto mais votado da cidade mas não assume devido ao coeficiente eleitoral. Mesmo assim, promete atuar com um ‘mandato popular’São várias as fábricas onde estivemos para agradecer os quase 7 mil votos recebidos por Toninho para vereador e repudiar o absurdo de um sistema eleitoral que deixa de fora da Câmara o 5º candidato mais votado da cidade.

Operários e operárias manifestam a sua indignação: “É muita injustiça e falta de democracia”, comentam. Os novos filiados nos procuram para entender o quociente eleitoral. Terminam entendendo, mas se negam a aceitar. Nas feiras e no centro da cidade, a receptividade à nota pública que vem sendo distribuída pelo partido também é enorme. Mesmo quem não votou, declara sua indignação.

Estamos fortalecendo a relação do partido com nossos apoiadores. Muitos nos ajudam a panfletar e a levar o material para seus bairros. Outros que param, aceitam se filiar e já esperam ser convidados para a próxima palestra.

Já chegamos a 450 novos filiados nesta campanha e continuam se filiando simpatizantes da luta do Pinheirinho, jovens que lutaram contra os supersalários dos vereadores e trabalhadores de várias fábricas de São José e Jacareí.

Os novos filiados estão recebendo suas carteirinhas, participando de palestras e cursos e sendo convidados a militar conosco, para construir o partido das lutas e do socialismo!

Lutas continuam em São José
Quando apoiadores e novos filiados são informados da ação jurídica ingressada pelo partido, que questiona o quociente eleitoral e a forma de distribuição de vagas se animam e se mostram dispostos a participar de qualquer manifestação para repudiar esta injustiça.

A ação do PSTU questiona a regra eleitoral, se baseando no princípio da “proporcionalidade”, garantida no artigo 45 da Constituição Federal, que se contrapõe ao artigo 109 do Código Eleitoral. “Queremos aprofundar a proporcionalidade direta, que é um princípio democrático, contrapondo-se ao código eleitoral criado pela ditadura militar que, na prática, impede este princípio” , diz Toninho.

Contudo, os trabalhadores de São José sabem que mesmo sem um mandato oficial, o PSTU continuará presente em suas lutas. Não somos um partido que aparece só em época de eleição.

Nessa semana, Toninho esteve junto com o Sindicato dos Metalúrgicos na assembleia da GM, que aprovou um novo fôlego para impedir os planos de demissão em massa da fábrica. O partido continuará ajudando a construir as mobilizações para pressionar a empresa e os governos para que garantam a volta dos afastados e a manutenção dos empregos.

Continuaremos organizando a luta do Pinheirinho até que o novo prefeito Carlinhos Almeida (PT) resolva a questão da moradia. Ele pode desapropriar o terreno e entregá-lo para a construção de casas. Se fizer isso, estará demonstrando que é diferente do governo do PSDB, que jogou os moradores na rua da amargura.

Vamos atuar como um verdadeiro mandato popular para denunciar as injustiças sociais e fortalecer a luta dos trabalhadores e do povo pobre de São José. Esse é o nosso compromisso.