Terceira assembleia nacional da ANEL reúne 400 estudantes de todo o país

Plenária da 3ª assembleia naciona da ANEL
Diego Cruz

Assembleia fortalece a entidade, rumo ao seu 1º congressoCerca de 400 estudantes, representando escolas e universidades de 14 estados brasileiros, reuniram-se no último dia 28 de agosto para a 3ª Assembléia Nacional da ANEL. O evento, realizado na Unifesp, em São Paulo (SP), definiu as diretrizes para a atuação da entidade estudantil nacional neste semestre. Como principal resolução, delegados eleitos por todo o país decidiram lançar já o chamado ao 1º. Congresso da ANEL, que acontecerá em 2011.

A atividade foi marcada pela presença de movimentos sociais que levaram propostas de ações conjuntas aos estudantes. Assim, o tradicional MST compôs a mesa de abertura da Assembléia introduzindo o chamado ao Plebiscito pelo limite da propriedade de terra, que será levado pela ANEL a estudantes de todo o país. Também na mesa de abertura, o MTST arrancou aplausos entusiasmados do plenário ao propor à ANEL que se junte a sua Jornada de Lutas por moradia.

Em meio às eleições em curso no país, a entidade também não hesitará em tomar parte em mais essa disputa na sociedade. Denunciando a falsa polarização entre Dilma e Serra – que disputam duramente a presidência, sem que isso signifique um verdadeiro embate entre programas -, a ANEL questionará a dita democracia em que vivemos. Em eleições controladas pelo poder econômico, a mídia e as instituições operam boicotes e oferecem condições desiguais entre diferentes candidaturas. É com esse perfil crítico e contestador que a ANEL promoverá em todo país um “Ciclo de debates eleitorais”, convocando os mais diversos candidatos a confrontarem suas idéias com as dos estudantes.

O perfil internacionalista da entidade também não deixou de ser notado nas resoluções da 3ª Assembléia Nacional. Para o dia 29 de setembro está marcada uma greve geral na Espanha, em mais um capítulo da resistência dos trabalhadores europeus aos ataques de seus governos por conta da crise econômica mundial. Desde o Brasil, a ANEL engrossará a solidariedade a essas manifestações, com atos em consulados e atividades na mesma data em que os trabalhadores sairão às ruas no território espanhol.

Por fim, a Campanha Nacional em Defesa da Qualidade do Ensino seguirá articulando as lutas em resposta aos ataques promovidos pelo corte de verbas e pelos distintos projetos educacionais do governo Lula. E é no trilho de todas essas iniciativas que a Assembléia Nacional dos Estudantes – Livre vive um momento muito especial, em que sua 3ª Assembléia Nacional é apenas mais um reflexo do processo de consolidação da presença da nova entidade no movimento estudantil.

A entidade daqueles que apostaram em ousar questionar os rumos da velha UNE, vem reafirmando seguidamente seu compromisso com a unidade de todos os lutadores – estejam ou não na ANEL. E é em base a essa experiência que a ANEL lança publicamente o chamado a seu 1º. Congresso, convidando as mais diversas entidades, movimentos e coletivos a se somarem a sua construção. Um congresso que, além de dar cara mais acabada à própria ANEL, pode emprestar sua capacidade de coordenar e unificar as lutas à todo o movimento estudantil brasileiro. Chegou a hora de Centros Acadêmicos, grêmios, DCE´s e Executivas de curso de todo país se juntarem à Comissão Organizadora Aberta e construírem, desde já, o 1º. Congresso da ANEL.