Sindicatos unem útil ao agradável, protestando com bom humor no carnaval

Os sindicalistas vão trocar as assembleias e as portas de fábrica pelos blocos, durante o carnaval. Mas quem pensa que esses foliões militantes vão se esquecer do dever de casa, se engana. Unindo o útil ao agradável, os protestos contra a crise, a perseguição aos trabalhadores, o descaso com os aposentados e a criminalização dos movimentos sociais continuam nas Festas de Momo, porém com muita fantasia e bom humor.

Quem quiser conferir, pode escolher, no próximo dia 20, sexta, e se inserir num desses blocos superengajados. Os ativistas do Fórum contra a Privatização do Petróleo e Gás vão estar presentes, com suas camisas vermelhas e faixas.

‘Lula tira a mão do nosso bolso´
Às 15h, na Candelária, começa a se concentrar o Bloco dos Aposentados, organizado pela Federação das Associações dos Aposentados e Pensionistas do Estado do Rio de Janeiro. O desfile está previsto para começar às 17h. A camisa do bloco está à venda na Federação, na Rua Riachuelo, 373-A, no centro do Rio, ao preço de R$ 10. O telefone de contato é (21) 2507-2455.

A música de Rochinha, Bira da Rede e Alcir critica o corte de direitos dos aposentados no governo Lula. Num dos versos da marchinha, os compositores clamam: “Lula, tira mão do nosso bolso!”.

‘Vestiu uma camisinha listrada e saiu por aí´
O Bloco dos Bancários “Vestiu uma camisinha listrada e saiu por aí”. Esse é enredo que vai desfilar na Avenida Rio Branco, no próximo dia 20, sexta, animado pela bateria da Unidos da Tijuca. A concentração também será na Candelária, a partir das 16h.

Pelo jeito, aposentados e bancários vão acabar sambando juntos. O samba, assinado por José Paulo Walter Alverca, Jorge Reis, Elida, Marcelo Estabile e César Fadel, convoca: “Bota a camisinha e vem pra cá / Que o bloco dos bancários vai passar / Bota a camisinha que eu quero o ano inteiro / Saúde, trabalho, dinheiro”.

‘O Sintrasef bota a crise pra sambar
O já tradicional Boca que Fala, do Sindicato dos Servidores Públicos Federais (Sintrasef), concentra-se sob os pilotis do Palácio Gustavo Capanema (prédio do MEC), na esquina da Rua Araujo Porto Alegre com a Avenida Graça Aranha. A partir das 17h do dia 20, a batucada começa e vai até onde o fôlego alcançar e as sandálias resistirem. Esse ano, o tema é “O Sintrasef bota a crise pra sambar”.