Sindicatos da Conlutas realizam seminário em Mar del Plata

Os representantes da CONLUTAS realizaram uma atividade nesta quinta, dia 3, na faculdade de Ciências Econômicas de Mar Del Plata, na Argentina, onde estão ocorrendo os principais protestos contra a visita de Bush ao país.

O debate abordou o tema do petróleo e do gás, a criminalização dos movimentos sociais e a reorganização do movimento operário da América Latina.

Os palestrantes foram Luiz Carlos Prates, o Mancha, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e um dos coordenadores da CONLUTAS, e Dalton dos Santos, geólogo e diretor do Sindicato dos Petroleiros de Sergipe e Alagoas.
Compunham ainda a mesa a ativista argentina Tata, dos docentes de Bahia Blanca, Andrade, dirigente camponês paraguaio e Eliseu, do Sintrajud, de São Paulo.

Compareceram trabalhadores e estudantes do Brasil, Argentina, Paraguai, Bolívia, Canadá, EUA, Colômbia e Cuba. Dalton dos Santos falou sobre a importância estratégica do petróleo para os EUA e afirmou que as reservas petrolíferas estão acabando, o que leva os Estados Unidos, que já não possui petróleo suficiente, a acelerar uma campanha de saqueio deste recurso natural em outros países. Isso é o que está na raiz da guerra do Iraque, bem como nos diversos conflitos existentes na América latina, como na Bolívia.

Dalton, funcionário da Petrobras, também denunciou que a empresa serve aos interesses das multinacionais na América Latina e concluiu afirmando a necessidade da unidade entre os trabalhadores dos diversos países, para enfrentar não só a repressão que já se tornou uma constante ao movimento latino-americano, como também os governos que aplicam os planos neoliberais.

Mancha, de São José dos Campos, disse que os governos não defendem os interesses dos povos de seus países e que na verdade são capachos dos norte-americanos. Para ele, as direções sindicais, na sua maioria, acabam apoiando estes governos e nessa medida se colocando contra a luta dos trabalhadores.

Por isso estão surgindo novas direções que se enfrentam com aqueles que querem travar as mobilizações e a CONLUTAS é parte deste processo de reorganização do movimento sindical na América Latina. Explicou o surgimento da CONLUTAS a partir da falência da CUT enquanto direção verdadeiramente comprometida com os trabalhadores e convocou a todos a participar do CONAT (Congresso Nacional de Trabalhadores), convocado para abril de 2006, em São Paulo.

Aberta a palavra ao plenário, se seguiram varias intervenções que apontaram a necessidade de solidariedade entre os povos da América Latina e do mundo.

Ao final, todos se comprometeram a terem uma participação ativa na marcha contra Bush, convocada para esta sexta em Mar del Plata. Além de diversas organizações sindicais dos países, o evento também teve uma participação ativa dos militantes e partidos da LIT (Liga Internacional dos Trabalhadores – Quarta Internacional), como o PSTU.

FONTE: www.sindmetalsjc.org.br

SAIBA MAIS
Leia o artigo `Limitações naturais são corda no pescoço do imperialismo`, de Dalton dos Santos