Sílvio Pereira detalha esquema de corrupção e afirma: “Quem mandava no PT era o Lula”

Em entrevista publicada dia 7 de maio, no jornal “O Globo”, Sílvio Pereira, ex-secretário-geral do PT, revelou detalhes do esquema do mensalão, articulado pelo PT com o empresário Marcos Valério e figuras chaves do governo Lula. Questionado sobre quem comandaria o esquema, o ex-dirigente petista afirmou: “Quem mandava eram Lula, Genoíno, Mercadante e Zé Dirceu”.

Silvinho deixou o cargo na direção do partido após o escândalo causado pela descoberta da Land Rover que o então dirigente petista recebeu de um empresário, dono da GDK, prestadora de serviços à Petrobras. No mês em que o escândalo do mensalão completa um ano, a entrevista de Pereira ao jornal carioca coloca Lula novamente no centro das atenções. Silvinho afirma que o esquema montado por Marcos Valério para arrecadar dinheiro à sigla tinha como objetivo captar R$ 1 bilhão. Tal esquema se utilizaria, via Banco Central, da liquidação do Banco Econômico, Banco Mercantil de Pernambuco e do Opportunity.

O esquema contava também com um conluio de empresas ligadas a Marcos Valério e o governo, que fraudavam processos de licitações e dirigiam recursos de emendas parlamentares. Silvinho, no entanto, afirmou que Marcos Valério era apenas um de muitos empresários que arrecadavam recursos à legenda petista. “Há cem Marcos Valérios por trás do Marcos Valério“, disse Pereira ao jornal, reafirmando ainda que esse esquema ainda funcionava para irrigar a conta bancária do PT.

O acordo firmado pelo PT com Marcos Valério para administrar a crise dividia a culpa pelo escândalo, poupando Lula das acusações. A entrevista de Sílvio Pereira, no entanto, contesta essa tese jogando toda a responsabilidade do mensalão nas mãos de Lula, Genoíno e Zé Dirceu. Segundo Silvinho existem ainda outros partidos envolvidos no mensalão.

Desespero
A entrevista do ex-dirigente ao jornal “O Globo” é permeada por contradições. Gravada nos dias 3 e 4 de maio no bairro da Bela Vista, na capital paulista, a entrevista terminou de forma inusitada. Segundo a repórter Soraya Aggege, Silvinho se arrependeu de ter concedido a entrevista, pedindo-lhe que não a publicasse. Ao ouvir a negativa da repórter, o ex-dirigente teria ficado ensandecido, batendo-se e gritando: “vão me matar”, enquanto destruía seu apartamento.

A entrevista tem muitos lapsos. Ao mesmo tempo em que afirma que Lula era mandante do esquema de corrupção, o ex-petista tentou eximir o governo das acusações. Porém, quaisquer que sejam as razões de Sílvio Pereira para conceder essa entrevista, tal como suas contradições, ela não ameniza o fato de que foi a primeira vez que um dirigente petista envolvido no escândalo do mensalão confessou a responsabilidade direta de Lula no esquema.

Outro aspecto que o mais novo escândalo do governo Lula ressalta é a corrupção generalizada no Estado. Sílvio Pereira afirma que “outros partidos” estão envolvidos no esquema do mensalão, sem citar quais, e que “cem Marcos Valérios” financiam os partidos do Congresso Nacional.