São Paulo terá ato classista unificado no 1º de Maio

Na capital paulista, a Conlutas, junto com Intersindical, MST, Pastoral Operária e diversas entidades e organizações do movimento social realizam, no dia 1º, a partir das 10h30, um ato de luta na Praça da Sé. O eixo da manifestação é “Os trabalhadores não vão pagar pela crise”.

As principais bandeiras defendidas são “emprego, salário, moradia, terra e direitos sociais” e “contra a criminalização dos movimentos sociais”.

A Conlutas vai participar do ato protestando contra as demissões que ocorrem desde o início da crise. A coordenação tem exigido do governo Lula a criação de uma medida provisória que garanta a estabilidade no emprego.

Em nota, a Conlutas diz que “o governo Lula editou medidas provisórias para socorrer os bancos, construtoras e outras empresas com dinheiro público, quer ajudar o FMI (Fundo Monetário Internacional) e declarou que os trabalhadores não devem pedir aumento salarial”. O texto afirma que neste 1º de Maio a Conlutas vai sair às ruas para pedir aumento salarial e “exigir que Lula pare de dar dinheiro ao ricos e edite uma medida provisória garantindo a estabilidade no emprego por pelo menos dois anos”.