Foto Agência Senado

PSTU-RN

Depois de apoiar a terrível reforma da Previdência de Bolsonaro, a governadora Fátima Bezerra (PT) enviou para a Assembleia Legislativa uma reforma ainda mais dura contra os servidores estaduais. Se forem aprovadas pelos deputados, as mudanças também vão valer para os servidores dos municípios do Rio Grande do Norte.

O projeto da governadora do PT reduz o valor dos benefícios, confisca uma parte dos salários dos ativos e dos aposentados e dificulta ainda mais a aposentadoria dos servidores. É um verdadeiro crime contra as categorias mais pobres, que há 10 anos não recebem aumento e ainda amargam duas folhas de 2018 em atraso! O objetivo da reforma do PT é fazer os trabalhadores pagarem pela crise dos ricos e cobrirem o rombo que os governos fizeram.

A governadora vai subir a contribuição previdenciária de 11% para 12% e até 14% sobre os salários mais baixos. Entretanto, para as maiores remunerações, a alíquota será de apenas 16%. O governo também quer aumentar em 5 anos a idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres, e reduzir pela metade a pensão por morte. Mas o mais grave nisso tudo é que Fátima vai taxar em 14% ativos e aposentados que ganham a partir de R$ 2.500,00.

Governo Fátima (PT-PCdoB) não tem nada de popular

A verdade é que o governo do PT/PCdoB tira direitos do trabalhador para garantir os privilégios da elite. Fátima diz que o Rio Grande do Norte não tem dinheiro, mas o governo permitiu que deputados estaduais recebessem 13º salário e férias retroativas ano passado. A governadora ainda concedeu um reajuste de 16,38% a procuradores que já recebem R$ 30 mil. Fátima afirma que o estado vive uma calamidade financeira, mas oferece a empresários bilionários uma farta isenção de impostos. Como se isso não bastasse, o governo ignora uma dívida em torno de R$ 7 bilhões que grandes empresas têm com o Rio Grande do Norte, e ainda paga para a OAS cerca de R$ 12 milhões mensais pela Arena das Dunas.

Enquanto isso, Fátima fecha hospitais, os corredores continuam superlotados, e o povo potiguar segue sem serviço público de qualidade. Precisamos reagir, já!

Chega dos ataques de Bolsonaro

Bolsonaro está privatizando a Petrobrás, acabando com os direitos trabalhistas, com o meio ambiente, e agora prepara uma reforma Administrativa para acabar com os concursos públicos e a estabilidade dos servidores. Bolsonaro sabe que pode explodir uma revolta popular no Brasil. Por isso, ele nos ameaça com a ditadura, defende miliciano e ataca sindicatos e movimentos sociais. O governo prefere que você trabalhe sem direitos e calado, para enriquecer ainda mais os patrões.

Basta! Chega de exploração e cortes na saúde e educação. Não vamos pagar a falsa dívida pública aos banqueiros. Pelo fim das isenções às grandes empresas; cobrar impostos dos ricos, garantir um plano de obras públicas e gerar empregos. Revogar a reforma da Previdência e trabalhista, e reestatizar as empresas privatizadas. Confiscar os bens dos corruptos e corruptores. É preciso um governo socialista, com conselhos populares, e que enfrente os capitalistas. Vamos às ruas!