Revista Marxismo Vivo é lançada em todo o país

Debate no Rio de Janeiro
Eduardo Henrique

Nova edição da publicação da Liga Internacional dos Trabalhadores traz artigos sobre a opção de um setor da esquerda em abandonar a defesa do socialismo e se adaptarem aos paláciosO 11º número da revista Marxismo Vivo está sendo lançada em sedes do PSTU de todo o país. Na maioria das cidades, a apresentação da revista está sendo feita através de debates, que têm reunido os militantes e muitos ativistas que estiveram em lutas com o partido.

Os primeiros debates ocorreram no fim de semana após a marcha da Conlutas do dia 17 de agosto. Em São Paulo, o debate foi no dia 20, com José Welmovicki, da redação da revista, sobre a resistência iraquiana e o atoleiro em que as forças de ocupação estão metidas no país. Neste mesmo dia, a revista também foi apresentada aos ativistas de Belém do Pará, que foram à sede do PSTU para uma atividade sobre Leon Trotsky, no fim de semana em que se completaram 65 anos de seu assassinato.

Rio de Janeiro
No Rio, a atividade ocorreu durante a semana, na quinta, dia 25. Cerca de 100 pessoas, em sua maioria estudantes, participaram da palestra ‘Das trincheiras aos Palácios´, no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, com Alejandro Iturbe, professor e economista argentino da direção da Liga Internacional dos Trabalhadores. Na noite anterior, Alejandro havia feito a palestra na Universidade Federal Fluminense, em Niterói.

Alejandro abriu a palestra dizendo que o que está acontecendo hoje com o PT é, com a licença de Gabriel García Marquez, a “crônica de uma morte anunciada”. Não é só a do PT, prosseguiu, como a de diversas organizações de diferentes matizes, que deixaram de lutar pelo socialismo e optaram por tentar mudar o capitalismo por dentro. Com a eleição de parlamentares, abriu-se um novo mundo dos negócios para os petistas, estabelecendo uma pressão não só ideológica, mas também material.
Alejandro citou diversos exemplos de organizações que pegaram em armas e hoje estão adaptadas ao capitalismo, como o dos Tupamaros no Uruguai, da Frente Sandinista na Nicarágua, e da frente Farabundo Marti, em El Salvador. A revista reproduz o debate ocorrido no Fórum Social Mundial, em janeiro deste ano, com a presença de ex-dirigentes de organizações guerrilheiras.

Alejandro lembrou que, mesmo reconhecendo o peso do ceticismo que se abateu sobre a esquerda com a restauração capitalista no Leste Europeu, é importante tentar entender o que aconteceu, que sistema existia sob o nome de “socialismo real” e o papel do stalinismo na derrota de diversos processos revolucionários.

O palestrante procurou responder a temas como a vigência da proposta do socialismo e qual a ferramenta para construí-la. Em suas considerações finais, Alejandro reafirmou a necessidade de construir um partido não burocrático, centralizado democraticamente, com clareza estratégica (a participação em eleições seria apenas uma tática dentre outras) e internacionalista. Alejandro comentou também a futura visita de Bush à Argentina e informou que acontecerá, entre os dias 1º e 5 de novembro, em Mar del Plata, o Cumbre de los Pueblos e a LIT se fará representar no evento.

Próximos debates
A revista Marxismo Vivo será lançada neste fim de semana em várias cidades. No sábado, dia 3 de setembro, haverá debates nas sedes do PSTU em Guarulhos [guarulhos@pstu.org.br], e em Santo Amaro [saopaulo@pstu.org.br]. Esta e outras edições da revista Marxismo Vivo também podem ser encomendadas pelo e-mail livraria@pstu.org.br.