“Reforma” sindical prepara retirada de direitos trabalhistas

`RicardoSe associamos as mudanças que estão sendo negociadas às posições e concepções políticas e sindicais que vêm sendo assumidas pela direção da CUT (é a única das centrais sobre a qual vale a pena debater) temos um quadro mais acabado.

A direção sindical que está negociando estas mudanças é a mesma que foi pioneira nos acordos de “flexibilização”, de banco de horas e de contratação temporária. É a mesma direção que negociou um acordo como o que foi feito com os bancos para a concessão dos chamados “empréstimos consignados em folha de pagamento” e que tem um presidente que se presta a posar de garoto propaganda de uma universidade privada.

Enfim, é a mesma direção sindical que está comprometendo completamente a autonomia da nossa central frente ao governo, a ponto de ter a postura que teve perante a contra-reforma da Previdência e à greve dos servidores federais ocorrida no ano passado. Todos sabemos onde isso vai dar….

Poder total para a cúpula será o primeiro passo para posterior imposição da “flexibilização” – eufemismo para a “retirada” – dos direitos trabalhistas, como férias, 13º salário, licença maternidade, descanso semanal remunerado, etc, etc.
Isto será feito mediante não apenas contra-reforma constitucional, mas também através de mudanças infra-constitucionais e “acordos coletivos”.

Post author José Maria de Almeida,
Presidente do PSTU e membro da Executiva da CUT
Publication Date