Rechaçar a escalada autoritária de Bolsonaro

Foto: Alan Santos/PR

Bolsonaro defende o banimento da oposição

Durante um evento na cidade de Parnaíba (PI) nesta quarta-feira, 14, Bolsonaro falou que “nas próximas eleições vamos varrer essa turma vermelha do Brasil”. Disse ainda que vai “acabar” com “essa raça de corruptos e comunistas”. E emendou: “Já que na Venezuela está bom, vou mandar essa cambada para lá”.

Bolsonaro volta a mostrar o seu caráter autoritário, revelando que a sua defesa da ditadura militar e de torturador não é mero jogo de cena. Assim como a ditadura militar, Bolsonaro defende o banimento e a eliminação de qualquer oposição política. E insta seus seguidores contra qualquer um que o oponha.

Bolsonaro é, além de autoritário, cínico e hipócrita. Desde antes de assumir se vê no meio de inúmeras denúncias de corrupção. Desde enriquecimento ilícito, passando pelo laranja Queiroz (aliás, onde está ele?), envolvimento com milicianos, sem falar nos esquemas de corrupção de seu partido, o PSL. Para coroar, indica agora seu próprio filho a embaixador dos EUA, assumindo o nepotismo de forma escancarada, na maior cara de pau.

Além de corrupto, seu governo está voltado fundamentalmente a duas coisas: arrancar direitos dos trabalhadores e entregar o país ao capital estrangeiro. Está aprovando a reforma da Previdência que vai jogar milhões na miséria e agora quer até que trabalhemos aos domingos. Ele tem um projeto de ditadura para fazermos voltar à condição de semiescravidão. E nesse projeto, não tem lugar para oposição, como mostra seu discurso no Piauí.

A atitude do governador do estado, Wellington Dias (PT), de recepcionar Bolsonaro pessoalmente em sua viagem, mostra como o PT de “comunista” não tem nada. Dias que, aliás, é um dos maiores defensores da reforma da Previdência, lutando para que ela valha também para estados e municípios.

Bolsonaro ainda tenta causar confusão, associando o regime venezuelano a comunismo. Nicolás Maduro encabeça um governo formado pela alta casta das Forças Armadas no país, junto com a burguesia corrupta beneficiada com o dinheiro do petróleo, a chamada “boliburguesia”. Para calar opositores e se perpetuar no poder impôs um total controle sobre a Justiça e implementou um autogolpe, instaurando uma ditadura capitalista que seria, aqui, o sonho de Bolsonaro.

É preciso repudiar esse tipo de ataque, assim como as investidas do governo Bolsonaro contra as liberdades democráticas. Ataques que atingem não só as organizações de esquerda, mas todos os movimentos sociais e populares, a liberdade de imprensa e os direitos dos povos indígenas. Bolsonaro quer uma ditadura para nos tornar semiescravos em favor do lucro dos banqueiros e grandes empresas e latifundiários. Chega de Bolsonaro, Guedes e Mourão!

LEIA MAIS

Derrotar o projeto de ditadura e semi-escravidão de Bolsonaro