Quem semeia vento colhe tempestade

Furacões podem estar relacionados ao aquecimento da TerraO ciclo de furacões que devastou e ocasionou inúmeras mortes no Sul dos EUA e no Caribe – como os furacões Ivan e Jeanne – podem estar diretamente relacionados ao aquecimento global, causado pela enorme emissão de poluentes no planeta.

A atribuição é feita por inúmeros especialistas no assunto. James McCarthy, professor de Oceanografia em Harvard, nos Estados Unidos, alerta que furacões como o Ivan podem ser apenas o começo de uma série de devastadores fenômenos climáticos relacionados ao aquecimento global. “Devemos esperar mais furacões tropicais e ciclones na medida em que a Terra vá se aquecendo”, diz o cientista.

A opinião de McCarthy é compartilhada pelos estudiosos do clima, reunidos no Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU. Para eles, o ciclo de furacões, cada vez mais forte, aparecendo em um curto espaço de tempo, confirma essa tese. O estado norte-americano da Flórida, por exemplo, em pouco mais de um mês, foi atingido por três furacões (Charles, Frances e, agora, o devastador Ivan), causando mortes e prejuízos astronômicos.

O dióxido de carbono liberado na atmosfera, resultado da queima de combustíveis fósseis (gás, carvão, petróleo e seus derivados), funciona como um cobertor, impedindo que a energia solar na atmosfera se dissipe no espaço. Esse fenômeno é conhecido como efeito estufa. O resultado é que essa energia eleva também a temperatura dos oceanos, “criando condições favoráveis para a formação de furacões cada vez mais fortes”, afirma o funcionário do Centro Nacional de Investigações Atmosféricas dos EUA, Kevin Trenberth.

Aquecimento global

Livre de previsões apocalípticas, o fato é que o planeta está se aquecendo rapidamente e o nível dos oceanos está subindo. Desde o seu surgimento, a Terra sempre passou por constantes mudanças climáticas causadas por fenômenos naturais.

Mas, a partir da Revolução Industrial, a realidade começou a mudar. A emissão de gases poluentes aumentou a temperatura de grandes centros urbanos, onde havia grandes concentrações de fábricas e indústrias. Com o desenvolvimento desordenado e irregular próprio do capitalismo e com a proliferação do uso de combustíveis fósseis, como fonte privilegiada de energia, as alterações climáticas começaram a ser sentidas não somente nas cidades, mas também em regiões inteiras e, hoje em dia, em todo o planeta. Nos últimos 100 anos, a temperatura da Terra se elevou em seis graus centígrados, conforme estudo de 2001, do IPCC. Isso faz com que os padrões climáticos se tornem cada vez mais imprevisíveis.

São vários os fatores apontados por cientistas que provocam essas mudanças climáticas, como o efeito estufa, buraco na camada de ozônio, poluição atmosférica e aumento na produção de gás carbônico. Todos originados pelo aumento da poluição e responsáveis pelo aumento da temperatura nos oceanos e o derretimento das geleiras.

O fenômeno do derretimento das geleiras (concentradas principalmente nos pólos Sul e Norte do planeta) é o mais preocupante com relação ao nível dos oceanos. Principalmente, no continente Antárctico, com 90% do gelo de todo o globo. Segundo o IPCC, se todo esse gelo se derreter, o nível do mar subirá em até 60 metros. Uma tragédia de grandes proporções para a humanidade.

Países ricos poluem mais

Os países imperialistas são os que mais poluem a atmosfera. Nos últimos anos, a despeito de todas campanhas organizadas por ambientalistas, esses países aumentaram as emissões de gases responsáveis pelo aquecimento global.

Sozinhos, os EUA foram responsáveis por 25% da emissão desses gases. A maior economia capitalista do mundo não aceita nem cumprir as metas do fracassado Protocolo de Kyoto (bem rebaixadas, diga-se de passagem) que estabelece a redução média de 5,2% dos gases que provocam o aquecimento até 2050. O resultado, de acordo com estudo da ONU, é o um aumento da emissão dos gases-estufa de 10,3% nos EUA, entre 1990 e 1999.

O aquecimento global e o fracasso de projetos de reformas ambientais (como o de Kyoto), demonstram que preservação ambiental e capitalismo não são compatíveis. Este último é responsável pelos maiores danos ambientais da história e a sua manutenção pode condenar a humanidade a um futuro sombrio.

A emissão de gases poluentes e os furacões

1. As indústrias nos países ricos poluem a atmosfera. Só os EUA são responsáveis pela emissão de 25% dos gases poluentes do mundo.

2. O aumento das emissões dos gases poluentes, como o dióxido de carbono, retém o calor, impedindo sua dissipação e criando o efeito estufa.

3. O efeito estufa aquece os oceanos, o que faz com que os furacões sejam cada vez mais fortes e constantes.
Post author Jeferson Choma, da redação
Publication Date