Quando Zumbi encontra o Haiti

No dia 20 de novembro, negros e negras da Conlutas vão exigir a retirada imediata as tropas brasileirasEm novembro a Minustah vai completar dois mil dias ocupando o Haiti. Para o movimento negro brasileiro a data é simbólica. Em 20 de novembro comemora-se o Dia da Consciência Negra, em homenagem a Zumbi dos Palmares.

Se existe algo totalmente oposto à vergonhosa ocupação militar liderada pelo governo Lula, são as lições deixadas pelo líder de Palmares. O papel exercido pelas tropas brasileiras só pode ser comparado às incursões dos capitães-do-mato e dos bandeirantes para destruir o Quilombo, sob ordens de uma odiosa elite escravocrata. A repressão da Minustah está à serviço dos “neo-escravocratas” de hoje, representados pela missão de empresários brasileiros que querem lucrar em cima dos miseráveis salários pagos aos trabalhadores haitianos.

Caveirão
Generais brasileiros já afirmaram que a “missão no Haiti” serviria como um “treino” para a repressão nos morros do Rio de Janeiro e em outras comunidades pobres do país. Querem transformar as nossas favelas em novas senzalas. Assim como os negros de Porto Príncipe sofrem nas mãos da Minustah, negros e negras sentem na pele os efeitos da política de segurança da polícia do governador Sérgio Cabral, aliado de Lula, nos morros e comunidades do Rio.

Mas a luta de Zumbi está viva no ódio que o povo haitiano alimenta contra a Minustah. A resistência de Palmares para se livrar das correntes da escravidão é a mesma resistência que move o povo negro haitiano para se livrar da escravidão da ocupação. Se a luta de Palmares foi derrotada sob canhões e balas, no Haiti ela triunfou no que foi não só a primeira revolução anti-colonial vitoriosa da América Latina como, também, a primeira revolução triunfante de escravos negros.

Por isso, o “Quilombo”, movimento de negros e negras da Conlutas, vai promover um encontro no dia 20 de novembro. O encontro entre Zumbi e o Haiti. Além de levantar as bandeiras tradicionais contra o racismo, denunciar a demagogia do governo Lula e de suas supostas medidas anti-racistas ultra-limitadas, levantará com orgulho a bandeira exigindo “Fora tropas brasileiras do Haiti”. Vamos ensinar que um povo não pode conquistar a liberdade, quando se oprime outro.

Zumbi e Toussaint Louverture, o Espartaco Negro, herói da revolução haitiana, tem um encontro marcado no dia 20 de novembro.

Post author
Publication Date