Por uma reforma urbana popular

Para enfrentar a contrarreforma urbana é preciso, antes de tudo, unificar o movimento sindical e popular para resistir ao avanço do capital imobiliário e enfrentar a repressão policial dos governos.

Mas precisamos também de um programa para resolver o problema de moradia no Brasil. O plano de moradia do governo só vai promover uma transferência maior de dinheiro público para os empresários da construção. O país do futebol, que tem no esporte a marca da cultura popular, não pode aceitar que a Copa se tranforme apenas em oportunidade para os lucros da especulação imobiliária.

Precisamos de um projeto para construção de moradias que não pode ficar nas mãos da iniciativa privada. A construção de casas deve ser realizada pelo Estado em forma de mutirões, ou cooperativas, ao invés de empreiteiras. O resultado é que as casas construídas serão muito mais baratas.

É preciso criar medidas que estimulem a ocupação de imóveis construídos vagos. Em todas as cidades há milhares de prédios abandonados, funcionando com reserva de valor para a especulação. É preciso enfrentar a especulação imobiliária. É preciso exigir a realização de uma reforma urbana, com a desapropriação das empresas e grandes proprietários de imóveis.

O governo também deve regularizar as ocupações urbanas promovidas pelos movimentos sociais que lutam pela moradia. Além disso, o dinheiro que o governo hoje destina para pagar juros aos banqueiros deve ser destinado à criação de um verdadeiro plano de obras públicas, que ataque os principais problemas das grandes cidades, como as enchentes recorrentes e a falta de urbanização das favelas e comunidades carentes.

Contudo, um programa voltado para acabar com o déficit habitacional só é viável com uma ruptura com a atual política econômica. É preciso parar de entregar dinheiro às grandes empresas e deixar de pagar as dívidas externa e interna, transferindo esses recursos para obras de habitação. Qualquer projeto popular habitacional deve ser discutido com os movimentos sociais, com longa trajetória e experiência na luta pela moradia. Vamos à luta!