Polícia de Taboão da Serra (SP) reprime ato do MTST com violência

O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) realizou na manhã desta segunda-feira, 28 de maio, um ato na prefeitura de Taboão da Serra, região metropolitana de São Paulo. Eles foram em marcha até a sede do governo muncipal. O objetivo do protesto era cobrar do prefeito Evilásio Farias (PSB) o cumprimento do acordo que fez com as famílias da Comunidade Chico Mendes de facilitar o alojamento das mesmas.

Segundo informou o site do MTST, o ato foi reprimido brutalmente, inclusive com tiors, pela guarda municipal. Várias pessoas ficaram feridas e outras foram presas. A nota do MTST classifica a repressão a um ato que era pacífico como “mais uma tentativa de criminalização de um movimento sério, que luta por um direito previsto na Constituição Federal e agrega o povo pobre na batalha por uma vida digna”.

HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO CHICO MENDES:
Em setembro de 2005, centenas de famílias ocuparam um terreno em Taboão da Serra e constituíram o acampamento Chico Mendes. Após muita luta e mobilização, em dezembro de 2005 o movimento foi incluído pelo governo federal em um programa habitacional, com garantia de construção de moradias populares para as 800 famílias da ocupação com recursos da Caixa Econômica Federal.

Desde então, o movimento encontrou muita dificuldade em negociar áreas com os proprietários da região para o início da construção das casas. Agora, há um terreno em negociação no Parque Laguna, que já foi aprovado para compra pela Caixa Econômica Federal, mas é muito grande e precisa ser desmembrado pela Prefeitura de Taboão. Como o processo estava muito lento, em 23 de abril, o movimento fez uma marcha à Prefeitura e Evilásio Farias se comprometeu a realizar o desmembramento em 30 dias. O prazo expirou em 23 de maio, e o prefeito recuou.

Com medo de que o movimento reagisse a essa tentativa de enganar as famílias ocupando o terreno do Parque Laguna, a Prefeitura entrou com uma ação de interdito proibitório para que o movimento seja multado em 100 mil reais por dia caso ocupe qualquer terreno na cidade. Trata-se de uma tentativa de criminalizar as famílias trabalhadoras que estão lutando por um direito previsto na Constituição Federal, mas como tantos outros, não sai do papel sem mobilização popular.

REIVINDICAÇÕES:

  • Que a Prefeitura de Taboão faça o desmembramento da área do Parque Laguna para que a Caixa Econômica Federal possa comprar o terreno e construir as moradias da Comunidade Chico Mendes.
  • Que a Prefeitura garanta infra-estrutura no terreno quando as moradias forem construídas, como asfalto, água e energia elétrica.
  • Que a Prefeitura pare de tentar criminalizar o MTST, que é um movimento pacífico, constituído por pessoas honestas, trabalhadoras, que lutam para cumprir um direito que está previsto na Constituição Federal.

    Fonte: www.mtst.info