Justiça despeja 270 famílias do Acampamento Novo Horizonte

FOTO: Amanda Rocha / A Cidade ON

Cerca de 270 famílias foram despejadas na manhã de hoje no Acampamento Novo Horizonte, na cidade de Araraquara, no interior de São Paulo. O despejo aconteceu por ordem do Ministério Público e do governo do estado que mobilizou cerca de 300 policiais militares para cumprir a ordem de reintegração de posse.

O acampamento Novo Horizonte começou a ser construído em 2015, quando 30 famílias ocuparam o local. De lá para cá o número de famílias aumentou e a luta pelo direito à terra também. Nessa última segunda-feira (18), as famílias protestaram contra a ordem de reintegração de posse e bloquearam a estrada vicinal Graciano da Ressurreição Affonso, que liga Araraquara a Matão.

O Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp) que reivindica a administração das terras, alega que trata-se de uma área de preservação ambiental permanente. As famílias, no entanto, negam e dizem que se trata de uma área abandonada e improdutiva com base em um atestado da Polícia Ambiental. As famílias não tem para onde ir.

O PSTU repudia a reintegração de posse e apoia a luta dessas famílias pelo direito à terra. Trata-se de mais uma ofensiva do governo de Márcio França (PSB) em defensa dos interesses do agronegócio e do latifúndio. E para isso não mede esforços para criminalizar os movimentos do campo e em tratar o assunto como caso de polícia.

É preciso garantir terra para quem nela trabalha e por isso defendemos a reforma agrária no Brasil e a expropriação do latifúndio. Só assim é possível garantir moradia e trabalho para essas famílias e também a produção de alimentos para a população.

Basta de criminalização dos movimentos!
Reforma agrária já!