Plebiscito deve ampliar o sucesso das consultas anteriores

Em 2002, mais de 10 milhões de pessoas votaram contra a Alca e o leilão da base de Alcântara, no MaranhãoO plebiscito sobre o leilão da Vale será a terceira consulta popular realizada pelos movimentos sociais em todo o país para combater a política neoliberal do governo de plantão. Nas duas primeiras, foram questionados pontos centrais da política econômica de FHC.

Em setembro de 2000 ocorreu o plebiscito sobre o pagamento da dívida pública. Após uma ampla campanha de conscientização, mais de seis milhões de pessoas votaram pelo fim do pagamento da dívida aos grandes banqueiros e agiotas internacionais.

Já em 2002, em plena campanha eleitoral e sofrendo o boicote do PT e do então candidato Lula, que chegou a ridicularizar a votação afirmando que “não iria brincar de fazer plebiscito”, a campanha contra a Alca conseguiu mais de 10 milhões de votos contra o acordo de livre comércio. O plebiscito da Alca questionava ainda a internacionalização da base militar de Alcântara (MA).

Plebiscito ataca política neoliberal
O plebiscito assume uma grande importância por colocar em dúvida a política neoliberal do governo Lula como um todo.

A primeira pergunta questiona a privatização da Vale, feita no governo FHC e mantida por Lula. A segunda questão retoma o debate sobre a dívida pública, mecanismo pelo qual recursos são desviados de setores como saúde e educação para os grandes especuladores internacionais. A terceira ataca a exploração da distribuição de energia pelo capital privado, e a quarta denuncia a reforma da Previdência do governo Lula.

É hora, portanto, de ir às ruas e organizar comitês do plebiscito nas regiões e locais de trabalho. É preciso buscar todas as entidades dos trabalhadores num esforço unitário contra essa política do governo que só beneficia os ricos.
Post author Diego Cruz e Eduardo Almeida, da redação
Publication Date