Petroleiros estão construindo uma nova direção

Os resultados nos sindicatos demonstram que em todo o país os petroleiros estão construindo uma nova direção operária. Após a suada vitória no Sindipetro-RJ, os petroleiros que são oposição à Federação Única dos Petroleiros (FUP) tiveram uma vitória estrondosa no sindicato de Alagoas e Sergipe. A chapa ligada a Federação Nacional dos Petroleiros (FNP) e a CSP-CONLUTAS ganhou com 87% dos votos, vencendo em todas as urnas, desde o setor administrativo da Petrobras, passando pela área operacional até os terceirizados e aposentados. De ponta a ponta.

Clarkson Messias, diretor da entidade, considera a vitória espetacular. “Demonstrou que melhoramos o trabalho de base, ainda que não seja o ideal. Defendemos os direitos dos trabalhadores da Petrobras e o das contratadas. Também foi uma demonstração que a base concorda com nossa política. A chapa era conhecida por uma oposição intrasigente à FUP e ao sindicalismo governista. Os trabalhadores que votaram sabiam que lutamos contra o Marco Regulatório do Petróleo do governo Lula e continuaremos lutando contra os leilões, por exemplo. Enfim, estamos credenciados para lutar por suas reivindicações”, comemora.

Uma das propostas da chapa é uma greve petroleira nacional, no dia do 11º Rodada de Leilão dos poços. A rodada está confirmada pelo governo Dilma e a previsão é que ocorra em setembro.

Alternativa no Norte Fluminense
As eleições do Sindipetro-NF tiveram 5.159 votantes, sendo que 2.696 escolheram a Chapa 1 (CUT/FUP) e 2.124 a Chapa 2, que somou 44,4% dos eleitores. A eleição foi marcada por imensa desigualdade de recursos entre as chapas e grande parte da categoria não pôde votar, por não ser sindicalizada.

Mas o resultado demonstrou a vontade de mudança. Durante toda a campanha, membros da Chapa 2 ouviam declarações de apoio. A simpatia com a oposição vinha da luta pelo fim das PLR`s desiguais, contra a insegurança nas plataformas, o assédio moral, os leilões do petróleo e os acordos rebaixados.

O resultado é muito importante para toda a categoria. A região é o principal pólo produtor de petróleo. Segundos dados de abril deste ano, o Campo de Roncador, na Bacia de Campos, foi o que extraiu a maior quantidade de petróleo do país. É lá onde está a plataforma campeã de produção, a P-52, produzindo 138 mil barris por dia, em média.

Unidade
A eleição no Sindipetro-NF significou um avanço importante. Petroleiros de todo o país começam a enxergar a necessidade de construir uma nova unidade nacional, verdadeiramente de luta, independente dos governos e dos patrões. Para além das direções dos sindicatos, a categoria percebe a necessidade de se organizar, de formar oposições e de apostar na sua própria mobilização. E agora se prepara para as eleições no Sindicato Unificado de São Paulo, no da Bahia e no de Duque de Caxias (RJ).
Post author Além das vitórias no sindicato de Alagoas e Sergipe e no do Rio de Janeiro; oposição consegue 44,4%
Publication Date