Paraguai: Sobre conspirações e a possibilidade de golpe

A conhecida e vergonhosa crise que atravessam as instituições desta falsa democracia dos ricos, em especial o Congresso, se soma a outra que sacudiu o paísFernando Lugo, presidente do Paraguai, denunciou à imprensa uma reunião com intenções golpistas. Da mesma, segundo o presidente, participaram Enrique González Quintana, oviedista e titular do Congresso Nacional, o ex-presidente Nicanor Duarte Frutos, o general Lino Oviedo, o fiscal-geral Rubén Candia Amarilla e o ministro Juan Manuel Morales, membro do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral. De acordo com a denúncia de Lugo, a conspiração se efetuou na casa de Lino Oviedo.

O Partido dos Trabalhadores (PT) condena qualquer intenção de golpe ou ações conspiratórias de algum golpe contra o governo Lugo. É sabido que Lino Oviedo lidera um projeto político fascista, golpista e criminoso. Pretendeu e ainda pretende instituir um regime ditatorial no país.

Por outro lado, Nicanor Duarte Frutos aplicou com dureza, durante seu governo, a política de criminalização das lutas sociais e o terrorismo de Estado. Na reta final das eleições, libertou Oviedo para debilitar a aliança da oposição burguesa. É muito claro, então, que ambos os setores políticos representam a ala mais de direita e reacionária da classe dominante.

A responsabilidade de Lugo e a APC
Lugo e a Aliança Patriótica para Mudança (APC, na sigla em castelhano) têm responsabilidades políticas na configuração deste cenário. Não podemos esquecer que Lugo-PLRA foi um dos principais impulsionadores para inocentar Oviedo. E, foi Lugo que, em sua tentativa de dar “estabilidade” a seu governo e conseguir uma maioria parlamentar, realizou um acordo com Oviedo e Nicanor, os principais cargos no atual Congresso.

Castigo aos conspiradores!
Exigimos que Lugo, imediatamente, apresente sua denúncia formal em âmbito judicial para que todos os implicados neste plano conspiratório sejam investigados e, sobretudo, castigados por este fato. Manifestamo-nos a favor da imediata destituição do fiscal-geral, do Presidente do TSJE e do presidente da Câmara de Senadores implicados no episódio por Lugo.

Existem possibilidades reais de um golpe?
Não vemos, atualmente, nenhuma possibilidade real de que um golpe de Estado possa prosperar em nosso país. Em primeiro lugar, não acreditamos que essa seja a tática central que o imperialismo tenha para a região e, menos ainda, para o Paraguai. Isso não significa que tanto Oviedo como Nicanor não tenham aspirações golpistas, tanto que pela relação dos fatos realizada por Lugo indicam que aquela reunião teve a intenção de testar as possibilidades neste sentido. No momento, o alto comando das Forças Armadas se pronunciou leal a Lugo e à “institucionalidade democrática”.

Quanto às massas populares e suas organizações, podemos afirmar que a maioria dos setores sociais mais pobres, por ora, defendem o governo de Lugo, que consideram o seu governo.

É razoável pensar que, tanto Oviedo quanto Nicanor Duarte, conhecem esta realidade completamente desfavorável a uma possível conspiração política e militar contra o recém-assumido governo de Lugo-PLRA que, segundo pesquisa publicadas, goza atualmente de 93% de popularidade.

Não vamos à marcha da Frente Social e Popular!
Com o nível de desenvolvimento dos fatos, a marcha convocada pela Frente Social e Popular (FSP) se converte num ato de expresso e incondicional apoio político ao governo Lugo-PLRA e todo seu plano econômico e social, e não precisamente a defesa de seu governo diante de um golpe iminente. Por esse motivo central, o PT declara que não irá à manifestação.

Mas deixamos claro que, em caso de existir um perigo real e concreto de golpe fascista, nosso partido será o primeiro a se colocar ao lado do povo trabalhador para derrotar esse ataque da reação burguesa.

Nossa trajetória e nossa política atual nos localiza, de maneira inquestionável no campo da defesa intransigente das liberdades democráticas conquistadas pelo povo. Denunciamos e impulsionamos ações contra todo o processo que inocentou Oviedo por parte de Lugo-PLRA e da libertação jurídica propiciada por Nicanor. Assim mesmo, estamos na trincheira de todo o movimento social contra a criminalização e o terrorismo de Estado aplicado por Duarte Frutos.

Acreditamos que nas atuais circunstâncias a marcha da Frente Social e Popular, objetivamente, não terá outro efeito que, valendo-se do sincero e justo sentimento democrático do povo, canalizar a confiança ao governo de Lugo e PLRA e seu plano econômico e político antipopular.