O Rio precisa de uma Oposição de Esquerda e Socialista

Enquanto o desemprego aumenta e a renda cai, os bancos estão obtendo os maiores lucros da sua história. Segundo o IBGE a região metropolitana do Rio de Janeiro obteve o maior crescimento no índice de desemprego, alcançando 9,8%. Enquanto César Maia governa para os ricos, fazendo a alegria das empreiteiras, os trabalhadores e o povo pobre sofrem com o desemprego, a miséria e o corte de verbas nas áreas sociais.

Vivemos em uma cidade com uma das maiores desigualdades sociais do país. O Rio de Janeiro, segundo a ONU, caiu da nona (em 1991) para a décima quinta colocação no índice de Desenvolvimento Humano, em uma cidade com cerca de 500 favelas, os trabalhadores que residem nessas regiões ganham de 14% a 31% a menos dos que moram no asfalto e a verba para a merenda escolar só garante a alimentação dos alunos até o mês de setembro.

O PSTU lança as candidaturas de OCTACÍLIO RAMALHO para a Prefeitura e de EDNA FÉLIX para Vice-prefeitura com o objetivo de apresentar um programa que combata a violência com emprego, salário, moradia, saúde e educação.

Como sociólogo e bancário, trabalhador da Caixa Econômica Federal e diretor do Sindicato dos Bancários, OCTACÍLIO sabe que não haverá uma mudança significativa no nível de vida dos trabalhadores enquanto 60% de tudo que se produz em nosso país for usurpado pelos juros das dívidas, e que o superávit primário e a chamada “Lei de Responsabilidade Fiscal” (normas impostas pelo FMI) impedirem que as Prefeituras invistam nas áreas sociais, garantindo o dinheiro para pagar os juros aos banqueiros internacionais.

EDNA, como Professora da Rede Municipal de Ensino e diretora do Sindicato dos Profissionais de Educação, sabe que a tarefa de um verdadeiro Governo dos Trabalhadores é garantir em primeiro lugar um salário digno e as condições de trabalho para os servidores e, principalmente, as verbas necessárias para realizar serviços públicos de qualidade para população, sobretudo na saúde e na educação.

O PSTU quer construir uma Prefeitura dos Trabalhadores, que garanta as reivindicações mais sentidas da população apoiada na mobilização dos trabalhadores e na organização de Conselhos Populares, a partir dos bairros mais carentes da cidade.

Não será governando com esta Câmara Municipal corrupta e ligada aos interesses dos patrões que vamos conseguir sobretaxar as grandes empresas e aplicar um plano de obras públicas que construa milhares de escolas, reforme e modernize os hospitais e que acabe com o déficit habitacional construindo casas populares. Um plano de obras públicas que ao mesmo tempo atenda as demandas mais sentidas da população e combata o desemprego em nossa cidade.