Novas rupturas com a CUT

A crise do governo Lula e do PT está longe de terminar, desgastando ainda mais seu braço no movimento sindical, a Central Única dos Trabalhadores. A crise da CUT, desencadeada por seu apoio incondicional ao governo neoliberal do PT, aprofundou-se ainda mais com a onda de corrupção revelada em Brasília, cujos protagonistas alçaram fama e prestígio nos gabinetes da central. A cada semana novos sindicatos desfiliam-se da CUT, expressando a ruptura de milhares de trabalhadores com a central chapa-branca. A cinco meses do Congresso Nacional dos Trabalhadores (Conat), que definirá o caráter e o futuro da Conlutas, esse processo vem consolidando a Coordenação como alternativa de luta em todo o país.

SERVIDORES MUNICIPAIS DE TERESINA
De 3 a 5 de novembro, na capital piauiense, ocorreu o congresso do sindicato do servidores de Teresina, o Sindserm. O principal debate foi em torno da desfiliação da CUT. Os militantes do PSTU apresentaram uma tese defendendo a imediata ruptura com a central, rumo à construção de uma alternativa. O PT e o PCdoB, por sua vez, tentaram convencer os trabalhadores da possibilidade de alterar os rumos da CUT. No entanto, a desfiliação foi aprovada pela grande maioria dos 270 delegados. A proposta de permanência na CUT obteve apenas dois votos, menos que as abstenções, que somaram seis votos.

URBANITÁRIOS DE GOIÁS
No último 8 de novembro, o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Urbanitárias do Estado de Goiás (Stiueg) decidiu em assembléia romper com a CUT. Com 5 mil trabalhadores na base é um dos maiores sindicatos do estado de Goiás.A votação que decidiu a desfiliação do sindicato foi unânime, demonstrando o enorme desgaste da central na base da categoria.

SERVIDORES MUNICIPAIS DE MARINGÁ
Outra vitória importante da Conlutas ocorreu no Paraná, onde a chapa apoiada pela Coordenação venceu as eleições do Sindicato de Servidores Públicos de Maringá. A chapa da Conlutas conquistou 888 votos, e a segunda colocada obteve 561. A campanha vitoriosa aconteceu em torno da necessidade de rompimento com a CUT e a construção de uma alternativa de luta.

SINDPPD DO RIO GRANDE DO SUL
No último 9 de novembro, o Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados do Rio Grande do Sul (Sindppd/RS) também definiu em assembléia sua desfiliação da CUT e a participação do sindicato nas atividades promovidas pela Conlutas. A aprovação deu-se com 87 votos, contra 53. Este foi o segundo sindicato do estado a se desfiliar da central (o primeiro foi o Sindijus, dos trabalhadores do Judiciário estadual).

Post author Da redação
Publication Date