Nota do PSTU em solidariedade à Ocupação Dandara e em repúdio à ação violenta da PM de Alagoas

O PSTU repudia a ação violenta da Policia Militar de Alagoas contra os moradores da Ocupação Dandara, organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), localizada no bairro de Benedito Bentes, na periferia de Maceió (AL), na manhã de ontem (27/12).

Em entrevista ao portal UOL, a coordenadora do MTST alagoano, Eliane Silva, disse que os policiais gritaram “agora é Bolsonaro”, antes da ação truculenta. “Duas viaturas da polícia apareceram aqui na ocupação. Fizeram uma ação violenta. Renderam pessoas, mandaram outras entrarem nos barracos, invadiram e quebraram coisas da cozinha coletiva. Rasgaram nossos livros de registros. Gritavam ‘quem manda agora é Bolsonaro'”.

Ainda de acordo com Eliane, os policiais tocaram fogo nas bandeiras do MTST e disseram que tinham que trocar pela bandeira do Brasil. A cozinha coletiva do acampamento foi trancafiada pelos policiais, livros e documentos também foram queimados pelos agentes.

O ataque a Ocupação Dandara soma-se a outros praticados pelas forças repressoras do Estado, como vem ocorrendo com os índios Tupinambá e Patoxó no Sul da Bahia. Sustentados pelo discurso e orientação reacionária e autoritária do presidente Jair Bolsonaro e pela impunidade, policias, grileiros e latifundiários tem atacado os movimentos que lutam por moradia e por demarcações de terra.

O PSTU emite sua solidariedade ao MTST e responsabiliza o presidente Jair Bolsonaro por esta ação covarde da polícia de Alagoas contra a Ocupação Dandara. O governador Renan Filho (MDB), responsável pela Policia Militar, tem que exonerar já os policiais e seus mandantes, caso contrário, será responsável por permitir práticas ditatoriais de repressão e atentado às liberdades democráticas, de expressão, de organização, de direito de lutar.

Frente ao aprofundamento dos ataques às liberdades democráticas e da repressão aos movimentos sociais, defendemos a autodefesa popular frente a ataques covardes como este, feitos para intimidar quem luta. Precisamos exercer o direito de se defender.

É preciso desmilitarizar a Polícia Militar, o que será um importante passo para combater o caráter autoritário das polícias em nosso país.