MTST tem vitória parcial em Mauá

No dia 28 de março, cerca de 150 famílias ocuparam um terreno no Jardim Feital, cidade de Mauá, no ABCD paulista. No dia seguinte, 29, já passava de 500 o número de famílias no terreno.

Este terreno tinha dívidas de IPTU com a prefeitura, como muitos nas grandes cidades do país. Centenas de famílias, fugindo dos aluguéis caríssimos e da moradia na rua, se organizaram em torno ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

Logo no início da semana, o proprietário pediu a reintegração de posse que foi concedida pela Justiça. A coordenação do movimento iniciou negociações com a prefeitura de Mauá para garantir banheiros químicos e água potável. Esta prometeu, mas não cumpriu. Em seguida, começou uma campanha na imprensa local contra a ocupação.

No final da semana, porém, em negociações entre proprietário, MTST e comando da policia, chegou-se a um acordo de possível compra do terreno, já que o proprietário está disposto a vendê-lo. Assim, a reintegração de posse foi suspensa por 30 dias.

“Foi uma vitória parcial do movimento e das famílias, mas precisamos permanecer alertas”, diz a advogada do movimento e militante do PSTU Eliana Ferreira.