Movimento Mulheres em Luta realiza 1ª Plenária de Mulheres de BH e Região

Candidata do PSTU ao governo de Minas, Vanessa Portugal, fala durante plenária
Ana Clara

A 1ª Plenária de Mulheres de BH e Região, realizada pelo Movimento Mulheres em Luta (MML), foi um sucesso que pretende se estender por outras regiões do estado e do país. No sábado, 28 de agosto de 2010, 42 trabalhadoras deram os primeiros passos para iniciar campanhas e organizar o MML na base, em Minas Gerais. As participantes representavam nove entidades sindicais das áreas de Educação, Saúde pública e privada e servidores públicos, duas ocupações urbanas e dois movimentos de oposição sindical da Região Metropolitana (RMBH), contando também com a presença de mulheres de Divinópolis e Juiz de Fora.

Na parte da manhã, as mulheres ouviram palestra e realizaram grupos de discussão sobre os dois eixos nacionais de campanha do ML, ligados diretamente à vida da mulher trabalhadora: direito à maternidade e violência. Na parte da tarde, a representante Ana Pagamucini, da Central Sindical e Popular Conlutas (CSP-Conlutas), falou sobre a importância e a necessidade de organizar um movimento de mulheres classista e combativo, aliado das lutas de todos os trabalhadores brasileiros e se contrapondo ao governismo que se instalou em boa parte dos movimentos feministas.

Ao final, a plenária votou as propostas de campanha e de organização elaboradas pelos grupos. As resoluções políticas foram baseadas em três eixos: aplicação imediata da licença-maternidade de seis meses para todas as mulheres, inclusive estudantes e trabalhadoras do setor informal, sem isenção fiscal e rumo a um ano; campanha unificada, em BH e cidades próximas, exigindo dos governos vagas nas creches públicas (educação infantil) para todos os filhos da classe trabalhadora, em tempo integral, gratuitas e de qualidade; pelo fim da violência contra a mulher, com destaque para a violência praticada pelas instituições e governos contra as mulheres que lutam. Ainda nesse ponto, as mulheres votaram denunciar a não aplicação da Lei Maria da Penha e exigir real investimento no combate à violência e assistência à mulher violentada.


Direção provisória eleita pela plenária

Entre as resoluções sobre a organização do MML em Minas, a Plenária da RMBH indicou a realização de plenárias no interior do Estado, como preparação para o Encontro Estadual de Mulheres, a se realizar no 1º semestre de 2011. Foi eleita uma direção estadual provisória, composta por dirigentes e ativistas, responsável por encaminhar as tarefas votadas na Plenária. Para garantir a independência financeira e política do MML, as mulheres mineiras definiram um formato de filiação individual e a realização periódica de campanhas financeiras.