PSTU-Amazonas

O estado do Amazonas vive uma situação extrema. A expansão da Covid-19 pôs em colapso toda a estrutura de saúde.

O aumento vertiginoso de casos de infecção saturou completamente o número de leitos, respiradores e cilindros de oxigênio. As mortes que vinham crescendo, acentuaram-se drasticamente com a falta de oxigênio. Segundo relatos de profissionais e pessoas públicas, em apenas um hospital, 28 pessoas morreram por falta de oxigênio.

Infelizmente, esse cenário trágico já estava anunciado. Não faltaram alertas por parte de cientistas e entidades de classes para o governo não relaxar os protocolos sanitários. No entanto, com a pandemia em seu auge, o governo Wilson Lima (PSC), resolveu seguir a política genocida de Bolsonaro, decretou a abertura da indústria, do comércio, de serviços e das atividades escolares. Com essa medida, encorajou a população a ir às ruas, aos shoppings e se expor de todas as formas ao vírus.

O resultado não tardou. A partir de meados de dezembro reiniciou o crescimento de forma constante dos casos de Covid-19 e de mortes. A aflição e o desespero estão tomando conta das pessoas ao verem seus parentes e amigos doentes sem ter o mínimo de atendimento clínico. A responsabilidade sobre isso é dos governos Federal, estadual e municipal, que mais uma vez incentivaram o retorno à normalidade em meio à uma pandemia descontrolada, não ampliaram o sistema de saúde estatal e ainda atacam o SUS (Sistema Único de Saúde) por meio de privatizações e desvios de recursos públicos.

Em meio a todo esse caos, Bolsonaro cortou o auxílio-emergencial da população desempregada e subempregada, que mesmo insuficiente garantia o mínimo.  Enquanto isso acontece, Bolsonaro, Wilson Lima e David Almeida insistem em aplicar o receituário da cloroquina, num total desrespeito à vida humana. Reuniram-se para anunciar um conjunto de medidas totalmente inócuas – sem efeitos práticos.

A população está totalmente abandonada por esses governantes. Não existe a menor chance de contenção da pandemia sob esses governos. Trata-se de uma política de morte, consciente.

Para acabar com essa carnificina é preciso pôr para fora Bolsonaro e Wilson Lima e exigir do prefeito de Manaus, Davi Almeida, que siga as recomendações da ciência. É preciso garantir as medidas de isolamento social, vacinação de todos e todas, já, os empregos, o auxílio-emergencial e salário digno.

Fora Bolsonaro e Mourão, já!
Fora Wilson Lima!