Inverno russo começa quente

Protestos contra fraudes nas eleições levam milhares às ruas. É preciso dizer: Fora Rússia Unida, Partido de oligarcas, banqueiros, malfeitores e ladrões!Essa pegou muita gente de surpresa. Depois de anos de estabilidade política, quando não existiam inclusive manifestações pelas mais elementares reivindicações econômicas, explodiu uma grande manifestação de conteúdo diretamente político. No dia 10 de dezembro, na Praça Bolotnaya, cerca de 40 mil pessoas se reuniram, além de outros 10 mil em São Petersburgo, 5 mil em Novosibirsk, e manifestações menores em cerca de 80 cidades. Todos protestavam contra a vergonhosa falsificação das eleições parlamentares para a Duma de Estado [Parlamento Russo], onde o partido Rússia Unida, do Primeiro Ministro Vladimir Putin e do Presidente Dmitri Medvedev, conquistou 49% dos votos e 53% das cadeiras da Duma. Diferentes analistas calculam que Rússia Unida teve seus votos aumentados em ate 15%. São centenas de denuncias, onde apuradores fecharam as urnas à noite com um determinado resultado, e no outro dia quando viram os resultados oficiais, os números eram completamente diferentes.

E o problema não começou com essa grosseira falsificação. A eleição de conjunto foi uma farsa desde o começo. Como se diz na Rússia são eleições “em que qualquer um pode ganhar, desde que seja Putin”. É impossível legalizar um partido político sem acordo com o Kremlin. O partido governista Rússia Unida tem monopólio dos meios de comunicação, não há debates, nada. Contudo, a falsificação e o tom arrogante de Putin e Medvedev, no momento em que começaram a aparecer as denuncias e manifestações (a primeira manifestação foi realizada no Boulevard Tchistye Prudy no dia 5 de dezembro, dia seguinte as eleições), atiçaram ainda mais a indignação. Os manifestantes foram acusados de terem sido pagos pelos EUA. Assim como as declarações do presidente da Comissão Eleitoral, Tchurov de que “as fantasias depravadas desta gentinha que coloca nossa honestidade em dúvida não me interessam nem um pouco”. Foi a gota d’água que levou as pessoas, que por anos suportaram todo esse jogo sujo da política oficial russa, a romperem com a indiferença e aproximarem a distante Rússia, nem que seja só um pouco, daqueles países europeus já abalados pelas manifestações dos “indignados”. Putin nunca havia visto isso, sempre esteve acostumado a um grande apoio popular.

O processo ainda está no início, mas jé é possível afirmar que com os acontecimentos da Praça Bolotnaya, o regime policial-mafioso das oligarquias do petróleo e gás de Putin começou a entrar numa fase de clara crise política.

A manifestação não pode ser impedida nem pela repressão da OMON (polícia de choque), nem pela convocação no mesmo dia de um exame centralizado em todas as escolas do país para desmobilizar os professores e a juventude, nem pelas ridículas declarações do Médico-Chefe da Rússia, dizendo que “manifestações no inverno fazem mal a saúde”, nem pelo local extremamente isolado (numa ilha), reservado pelo governo para a manifestação. Com dezenas de milhares de pegadas na neve, o povo deixou bem claro o que ele pensa sobre o governo atual. As pessoas exigiram a anulação do resultado das eleições, a demissão de Tchurov, presidente da Comissão Eleitoral, liberdades democráticas e a realização de novas eleições. Os gritos de “Rússia sem Putin!” e “Liberdade!” estremeceram a praça. A desmoralização da polícia, do regime e dos burocratas fizeram com que pela primeira vez Putin fosse visto como um fraco, que teve que recorrer a uma vergonhosa falsificação para fazer de conta que mantém o apoio da população. Em um país que preza tanto aos “líderes fortes”, isso é uma derrota grande para Putin.

Nestes dias de dezembro, terminaram os longos anos de silêncio, a gente perdeu o medo e chegou por sua vez agora a hora do regime ter medo. Nestes dias, pairando sobre o país, a juventude sentiu o espírito da Praça Tahrir, assim como a velha geração sentiu o espírito daquelas manifestações na URSS dos fins dos anos 80. A vitória oficial de Putin se voltou contra ele como sua 1ª grande derrota, que provavelmente, tenha aberto a etapa de declínio de seu regime.

Independentemente da falsificação dos resultados, a perda de apoio do Governo Putin é um fato inegável, assim como a disposição de luta de pelo menos um setor da população.

Mesmo levando em conta os resultados oficiais, o partido de Putin, Rússia Unida, perdeu muitos votos. Perdeu a maioria constitucional que lhe permitia modificar a Constituição. Mas manteve a maioria simples, o que lhe dá poder de aprovar leis mesmo votando sozinho.

Ao mesmo tempo, diminuiu também a participação nas eleições. Segundo dados oficiais, 40% da população não foi votar, alguns analistas falam que não votou mais da metade da população. A maioria das pessoas ou não foi votar, ou votou “por qualquer partido menos Rússia Unida”. Esta tendência de protesto silencioso, que sempre existiu, hoje atingiu um patamar que já não é possível esconder. Os próprios resultados oficiais das eleições foram como um tapa na cara de Putin.

Um processo que ainda esta em seus inícios
Mas, apesar do grande golpe sofrido pelo regime, não se pode superestimar a situação. A geografia dos resultados eleitorais, assim como o caráter, distribuição geográfica e a composição das manifestações mostram que o processo está só em seu início. A manifestação por enquanto tocou fundamentalmente a classe media a juventude universitária e a intelectualidade das grandes cidades. A classe operária, por enquanto, está ausente do processo. Nas regiões mais agrárias e atrasadas, “Rússia Unida”, apesar de perder votos, recebeu um resultado superior ao de Moscou, São Petersburgo e outras grandes cidades, assim como as grandes manifestações se deram também somente nas grandes cidades. A manifestação central na Praça Bolotnaya estava composta fundamentalmente pela classe media e juventude. Por isso, deste primeiro sinal de mudança até o último prego no caixão do regime de Putin, ainda haverá que ocorrer um longo caminho de lutas.

A ‘oposição’
Como estão dizendo os russos, “Putin é só metade do problema, a outra metade é a oposição”. O fato é que a oposição parlamentar é cúmplice direta da falsificação. Ha quatro partidos que conseguiram representação parlamentar. Além de Rússia Unida, governista, há o Partido Comunista da Federação Russa (PCFR), que tenta ser uma oposição “civilizada” e “construtiva”. Há também o partido Rússia Justa, criado pelo Kremlin como uma ala esquerda de Putin. Há ainda o Partido Liberal Democrático da Rússia (LDPR), da direita xenófoba e pró-governo. Estes partidos, apesar de criticarem a falsificação, estão contentíssimos com o aumento de votos que tiveram, aumentando seu numero de deputados, suas verbas parlamentares e seu poder de barganha com o governo.

Especialmente cínica é a posição do PCFR, maior partido da oposição, que dobrou seus votos (chegou a quase 20%, segundo os resultados oficiais), e que tem uma grande responsabilidade neste momento ao ser o principal depositário dos votos da oposição anti-Putin. Diz seu líder Ziuganov que “as eleições foram ilegítimas tanto do ponto de vista moral como ético”. Mas isso não significa que venham a boicotar a nova Duma ou coisa do gênero. Muito pelo contrário. Diz Ziuganov que aproveitarão o aumento de sua bancada parlamentar para aumentar seu “poder de fiscalização” nas eleições presidenciais de março. Contentíssimo em dobrar seu número de deputados, o PCFR foi o grande ausente na manifestação da Praça Bolotnaya, não a convocando e enviando para lá somente representantes do segundo escalão do partido.

A situação é distinta com os liberais russos, agentes diretos do imperialismo americano e europeu, dos quais o regime tirou seu espaço político legal e que por isso não se encontram representados no parlamento. Esses (ou seja, o imperialismo) têm algo a perder, mas tem também algo a ganhar. Por isso jogam com os protestos.

Hoje o imperialismo, para dar continuidade a seus planos de colonização da Rússia e outros países politicamente influenciados por ela, necessita levar adiante negociações com Putin, que hoje monopoliza todo o espaço político do país. E Putin cobra caro pelos seus serviços prestados de implementar os planos do imperialismo. Eis a causa dos atritos entre eles. O ocidente gostaria de participar diretamente na política russa e, por isso, de tempos em tempos gera dificuldades políticas para Putin dentro do país através de seus agentes liberais (Nemtsov, do Movimento Solidariedade, Yavlinskiy, do Partido Yabloko, Kasparov, do Outra Rússia, etc), se aproveitando para isso da falsificação das eleições e da ausência de liberdades democráticas. E agora foram exatamente os liberais quem se tornaram os organizadores da manifestação da Praca Bolotnaya.

Mas as pessoas foram a praça não “em defesa dos liberais”, mas em defesa das liberdades democráticas. Como brincou um dos oradores da manifestação, segundo o governo russo, Hillary Clinton haveria mandado mensagens por celular para cada pessoa presente na praça. O sentimento antiamericano na Rússia é muito forte. Além disso, aos liberais é muito difícil conquistar alguma confiança depois da catástrofe dos anos 90, quando foi destruído o parque industrial russo em nome da importação de produtos das multinacionais imperialistas. Foi exatamente essa política que gerou os oligarcas russos que tomaram para si a propriedade estatal, recursos naturais e outras riquezas do país. Foram os mesmos liberais que abriram as portas ao capital externo, que hoje controla praticamente todas as áreas da economia e envia bilhões de dólares de lucros para fora do país. Foram também eles que implementaram a “absoluta liberdade de mercado”, que levou a crise. Todos os liberais apoiaram o bombardeio ao parlamento por Ieltsin em 1993, o primeiro passo para o aumento da repressão em todo o país. Portanto, os liberais carregam total responsabilidade pela situação atual do país. Hoje eles criticam Putin, mas na prática propõem a mesma política de privatizações, cortes dos gastos sociais e submissão s ao capital internacional. São até mais radicais em seguir as receitas do FMI. Por isso mesmo não falam nem uma palavra sobre economia hoje, só sobre corrupção e fraude. Calam-se sobre todo o plano econômico de arrocho e privatizações de Putin. Por isso seus lemas são somente “Rússia sem Putin!” ou “Abaixo Rússia Unida, partido de malfeitores e ladrões!”. Eles mesmos tem medo das manifestações, que ameaçam o modelo econômico semicolonial do país, ja em sérias dificuldades, em especial nesse momento em que a situação se torna a cada dia mais explosiva.

Falsificação a serviço dos interesses dos oligarcas
A falsificação foi a gota d’água, mas o desgaste acumulado do governo vem de questões muito mais profundas. Sua origem está na aplicação dos planos de ajuste e de cortes exigidos pelo FMI e pelos próprios oligarcas russos para aumentarem seus lucros. Assim como nos demais países do mundo, o governo russo salvou seus banqueiros e oligarcas em crise com dinheiro público, endividando o Estado. Agora querem economizar à custa do povo. Em todos os países, em especial na Europa, os governos e os patrões estão aplicando reformas e ajustes brutais: privatizações, arrocho salarial, demissões – para impor aos trabalhadores um novo nível de exploração. Nos seus encontros internacionais, como o G20, os governos discutem e coordenam suas medidas contra os trabalhadores e os povos para salvar os patrões da crise que eles mesmos causaram.

A Rússia e seu governo não são exceção. Ja vinham implementando a reforma da educação, chamada de “monetização da educação”, o nome em si ja dispensa explicações. Ao mesmo tempo, devido a inflação, as pessoas comuns vão ficando mais pobres. O governo Russo já aprovou uma série de leis que entrarão em vigor depois das eleições. Todas elas apertarão ainda mais os russos com as chamadas “medidas impopulares”.

Putin cada vez mais entrega o país que dependente dos investimentos internacionais, nas mãos das multinacionais, que extraem uma montanha de lucros. Para reduzir os gastos sociais, ele segue a risca as orientações do FMI, do Banco Mundial e dos governos dos países dominantes. Já há um novo orçamento, com grandes cortes nas áreas sociais, ao mesmo tempo em que aumentou os gastos com a polícia, FSB (ex-KGB) e com o aparato repressivo em geral.

Foi da necessidade de dar continuidade a estes planos que o governo se viu na necessidade de fraudar as eleições. A falsificação das eleições foi necessária a Putin para continuar com as reformas contra a maioria da população no interesse dos oligarcas russos e do capital estrangeiro.

Putin queria mostrar que “está tudo em ordem”, que o povo segue confiando nele. Por isso, como sempre, falsificou as eleições para, fortalecido com o “apoio popular”, seguir adiante com suas medidas contra o povo. O tiro saiu pela culatra. Hoje o povo russo está sentindo tudo isso na carne. E se cansou da hipocrisia do governo.

Como seguir adiante?
É necessário ampliar os protestos pela anulação dos resultados das eleições. Todos os partidos da chamada “oposição” (em primeiro lugar, o PCFR) devem lutar pelos votos roubados de seus eleitores, ou seja, abertamente não reconhecer as eleições, boicotar a nova Duma e juntos convocar amplamente e organizar massivas manifestações de protestos unificadas, para conquistar a libertação de todos os que foram presos nas manifestações, anulação dos resultados das eleições e a demissão do presidente da Comissão Eleitoral, Tchurov. Qualquer outra posição significaria um acordo aberto ou disfarçado com a falsificação. Por protestos unificados de todos pela anulação dos resultados falsificados das eleições!

É inaceitável a posição atual do PCFR de não participar ativamente e nem convocar as manifestações contra a fraude para assumir suas cadeiras na Duma! Com a autoridade de ser o maior depositário dos votos de oposição, uma simples declaração do PCFR se negando a reconhecer as eleições e boicotando a Duma falsificada colocaria todo o sistema numa crise de legitimidade sem precedentes. Além disso, se juntassem seu grande poder de mobilização (utilizado somente em campanhas eleitorais) aos 40 mil da Praça Bolotnaya, poderiam mudar definitivamente a situação política do país.

Hoje muitos levantam a palavra de ordem de “eleições limpas”. Porém, diante das regras em vigor, quando não há liberdades políticas e, principalmente, quando “qualquer um pode vencer as eleições, desde que seja Putin”, falar de “eleições limpas” não tem nenhum sentido.

Por uma real liberdade de expressão, de publicação, de manifestação, de reunião e de organização! Pela abolição da atual legislação de partidos e da legislação “antiterrorismo’ e ‘anti-extremismo’, dirigidas a eliminar a existência de opiniões diferentes!

Não a repressão! Pela liberdade de organização e legalização de partidos alternativos! Pela liberdade de distribuição de informação e acesso dos distintos partidos e pontos de vista a televisão! Por uma ampla campanha de debates eleitorais pela TV! Na base destes direitos democráticos, é preciso realizar novas eleições no país!

Abaixo as privatizações e a reforma da educação! Nacionalização, sem indenização, de todo o setor energético e de recursos naturais! Utilização dos recursos provenientes destes para promover uma nova onda de industrialização do país, e de renovação da infra-instrutora nacional, que absorva aos desempregados. Proibição da remessa de lucros ao exterior. Nacionalização e unificação do sistema financeiro nacional, para impedir a especulação, envio de remessas e corrupção. Fora oligarcas, banqueiros, malfeitores e ladrões! Por um governo operário e popular, que governe para a maioria e assuma um programa econômico de resgate dos trabalhadores, e não dos banqueiros e oligarcas.

Fora Rússia Unida, Partido de oligarcas, banqueiros, malfeitores e ladrões!

Para implementar todo esse programa, o principal problema dos trabalhadores russos continua sendo a ausência de organizações independentes e de uma direção política, o que retarda muito a entrada da classe trabalhadora em luta. Hoje nenhum dos partidos legais representa os interesses dos trabalhadores e do povo, tampouco quer defendê-los.

O PCFR defende alguns pontos do programa acima, mas só nas campanhas eleitorais, pois nunca se dispuseram a mobilizar o povo por estas reivindicações. A classe trabalhadora não tem nem sindicatos independentes, nem partidos em que possam confiar, nem outras organizações de luta.

Sem suas organizações próprias, os trabalhadores continuarão reféns de patrões e burocratas. Hoje aos trabalhadores e setores populares é necessário se organizar em grupos por local de trabalho, universidades, por local de moradia, entre amigos, coordenar-se entre si para resistir a política antipopular, repressiva e pró-oligarcas do regime Putin e de sua farsa eleitoral. Construir uma alternativa política de classe e socialista é uma necessidade urgente para a classe trabalhadora russa.