IIRSA:integração para quem?

Plano de reestruturação territorial pretende integrar os 12 países da região à China e Estados UnidosHá dez anos, está em andamento na América do Sul um plano de obras que visa aprofundar o processo de exploração dos povos e recursos naturais da região. Denominado Iniciativa para Integração da Infraestrutura Regional Sul-americana (IIRSA), este prevê a construção de serviços de transportes, geração de energia e telecomunicações. O financiamento vem dos governos e de instituições como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES ).

Ao todo, são 534 projetos entre estradas, ferrovias, hidrovias, portos, aeroportos, usinas hidrelétricas e gasodutos, com investimentos que devem ultrapassar os 132 bilhões de dólares ao longo de 22 anos. Os gastos públicos com as obras já chegam a 68 bilhões de dólares e são justificados pelos governos da região como uma forma de melhorar a qualidade de vida da população e reduzir as desigualdades sociais.

A IIRSA foi elaborda no mesmo contexto da interrompida Área de Livre Comércio das Amércias (ALCA ). Sua função é criar a infraestrura necessária para dinamizar a produção e o fluxo de mercadorias destinadas aos Estados Unidos, União Europeia e China.
Os caminhos traçados pela Iniciativa de Integração cortam áreas ricas em recursos naturais (como petróleo, minério de ferro, água), interligando- as aos portos do Atlântico e Pacífico(Ilustração).

Desta forma, a exportação destes bens para outros continentes, antes demorada e de custo elevado, torna-se rápida e barata. A concretização da IIRSA aprofundará a exploração capitalista que ocorre na América do Sul desde a colonização. Os países serão novamente convertidos em plataformas de exportação de produtos primários.

Os dados da Comissão para Estudos da América Latina (CEPAL ) comprovam que este processo já está em curso. Os investimentos estrangeiros na extração de bens primário
como petróleo, minerais e soja superam os da indústria.

Ao contrário do discurso dos governos, a IIRSA não benefíciará a população sul -americana, mas aprofundar a exploração imperialista da região.

LEIA MAIS

  • Obras de infraestrutura da IIRSA transformam perfil econômico da Amazônia