Haitianos protestam contra ocupação militar

Haitianos queimam bandeira do Brasil em repúdio à Minustah

Ativistas queimaram bandeira do Brasil em repúdio à ocupação. Leia abaixo informe enviado pelo Batalha Operária sobre o dia 28 de julho, dia de mobilização contra a ocupação.No dia 28 de julho, junto com as organizações aliadas que conosco haviam lançado o chamado para o sit-in (sentaço), estávamos em frente à chancelaria para, como anunciado, manifestar nosso mais total repúdio à presença-dominação-ocupação-tutela das forças armadas da ONU, a Minustah. Neste texto clarificamos nossa posição frente às demais organizações que também estavam nas ruas mas que se contentavam em protestar somente contra as manobras eleitorais de Préval.

Com cerca de cem militantes, agimos em 3 equipes: uma em frente à chancelaria com faixas, outro no meio da rua, bloqueando a circulação e ocupando o espaço com cantos e consignas políticas, e o último distribuindo o texto, distribuindo e pregando cartazes e pichando muros e carros.

No último momento, queimamos uma bandeira brasileira que envolvia uma norte-americana enquanto que a de nossos camaradas internacionalistas da Conlutas nos acompanhava sempre.

Durante o sentaço, uma marcha da Pndph cruzou conosco. Mas o mais grave do dia foi que, justo quando acabamos, na mesma esquina onde estávamos passava outra manifestação, um homem armado, claramente reconhecido como um dos paramilitares do governo, desceu de seu veículo oficial e disparou, ferindo um manifestante, tudo em frente à polícia que nada fez para impedir-lo, tampouco socorrê-lo depois. Como dissemos há meses, são tempos em que o duvalierismo volta em pleno dia. Temos que saber o que fazer.

Haitianos marcham contra a ocupação militar

Em outra região, uma marcha mais especificamente do Batalha Operária ocorreu em outras ruas de Cap-Haitien. Com uns 150 militantes, percorreu a cidade inteira, com a mesma mensagem, as mesmas bandeiras e faixas. O ato teve grande acolhida ali e, ao final, haviam se somando umas 100 pessoas, cantando também e participando da panfletagem.

Seja em Porto Prínciple, seja em Cap-Haitien, a distribuição do texto e os cartazes em bairros e acampamentos vão seguir durante o resto da semana.

Finalmente, estamos recebendo notícias e fotos das mobilizações que ocorreram nos Estados Unidos, Brasil e América Latina com nossos camaradas e amigos, sempre contra a ocupação do país.

A luta acaba de começar!