Greve de servidores da UERJ completa 100 dias

Repressão a manifestantes no Palácio Guanabara
Samuel Tosta

Os servidores técnico-administrativos da UERJ realizam uma heróica greve há 100 dias. O movimento grevista se mantém firme, mesmo com a intransigência do governo e com a repressão aos manifestantes.

Os funcionários reivindicam reajuste salarial para reposição de perdas, plano de carreira e a defesa da universidade pública contra os cortes de verbas. Desde o início da greve, o movimento realizou atos e está construindo a unidade com os outros setores do funcionalismo. Para forçar a abertura da negociação, os servidores fizeram uma ocupação de 28 dias no prédio da diretoria de Informática.

Após a desocupação, os servidores apostaram na unificação com o funcionalismo público estadual. Retomando o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais (Muspe), os servidores fizeram um ato em frente ao Palácio Guanabara no dia 16 de setembro. Esse ato mostrou a força do funcionalismo e foi brutalmente reprimido pela força policial do estado.

Os servidores, porém, demonstraram que não se intimidam e que a luta seguirá até a vitória. Ocuparam o plenário da Assembléia Legislativa, no dia 21, para pedir a intervenção dos parlamentares pelo atendimento às suas reivindicações.

No dia 30 de setembro, a greve completa 100 dias e haverá uma assembléia comemorando essa luta. Os servidores demonstram um heroísmo sem igual, pois a disposição é a mesma da dos primeiros dias. Apesar da intransigência do governo estadual, a greve se mantém e se fortalece, pautada na unidade do funcionalismo.
Post author Yara Fernandes, da redação
Publication Date