Governo, UE e Troika saqueiam Portugal

É a política do vale tudo para roubar os trabalhadores e o povo. Cobertos pela chantagem da “crise” e do pagamento de uma “dívida pública”, os governantes e o atual poder econômico capitalista conseguiram convencer uma grande parte da população da necessidade de austeridade e do povo ter de suportar ainda mais privações. Contudo, as duras medidas que se têm dirigido contra os trabalhadores, que têm deixado quase intocáveis as grandes fortunas e o capital, começam a fazer cair à máscara ao governo e à política da União Europeia/Troika.

A Greve Geral do passado dia 24 de Novembro foi um início desta nova e necessária fase de dizer “Basta” a esta política de roubo do salário e dos direitos sociais. Apesar de muitas dificuldades impostas pela precariedade, pelos cortes salariais e pela repressão instalada em muitas empresas, a resposta firme de centenas de milhares de trabalhadores levou a que o dia de Greve Geral resultasse num êxito com a paralisação de importantes setores, como os transportes terrestres, marítimos e aéreos, serviços públicos e de muitas grandes empresas.

Também desta vez a Greve saiu à rua, e em Lisboa realizaram-se duas manifestações (uma da CGTP e outra da Plataforma 15 de Outubro-15O), assumindo particular destaque a manifestação do 15O pela sua energia reivindicativa contra o governo e a Troika, pela suspensão do pagamento da dívida e pela defesa dos direitos e salários. Pelo seu caráter de maior combatividade, a manifestação dos movimentos foi alvo de provocações e repressão policiais perante as quais deveremos exigir punição dos comandos policiais responsáveis, sob pena de se deixar um precedente para futuros ataques a mobilizações populares em defesa dos seus direitos.

O pagamento do negócio a que falsamente se chama “ajuda” da UE/FMI/BCE e se destina a pagar uma dívida que não beneficiou o povo português, mas que, ao contrário, encheu os cofres e as contas bancárias do poder econômico e político, é hoje um sorvedouro de dinheiro público que é necessário parar. Este mesmo dinheiro deve ser utilizado para pagar salários, saúde e educação em benefício do povo e dos trabalhadores.

As grandes construtoras, os capitalistas que estão nas PPP e os grupos dominantes no PSD, CDS e PS são os que fazem parte da lista de verdadeiros devedores e que devem ser chamados a pagar a atual crise em que meteram o país. Estamos falando dos verdadeiros criminosos, aliás, todos eles com casos publicamente conhecidos em redes de corrupção, lavagens de capitais, roubo e até assassinato (como é acusado Duarte Lima do grupo de amigos de Cavaco Silva, o tal “mais alto magistrado da nação”).

A decisão dos capitalistas e dos seus governos em fazer uma guerra contra os trabalhadores e os povos para que sejam estes a sofrer e pagar a crise está a ter uma importante resistência dos “de baixo”. Na Europa, os trabalhadores e o povo grego têm sido a vanguarda desta resistência que está a fazer rebentar um projeto que há mais de 60 anos a burguesia europeia começou para uma união econômica a mando das grandes empresas.

Esta UE que tem saqueado os trabalhadores e os povos, que tudo tem feito para restringir os direitos sociais e laborais, sempre em benefício dos capitalistas dos grandes grupos econômicos, está precisando ser varrida e substituída por uma outra baseada na defesa do emprego, do salário e dos direitos dos trabalhadores e dos povos, uma Europa cuja união não pode ser dirigida por quem defende a exploração do trabalho, o endeusamento da concorrência e a ganância do lucro, mas que tem de ser dirigida pelos “de baixo”, pelos povos, pela classe trabalhadora e pelas suas organizações.

O caminho tem de ser de resistência e mobilização para derrotar a atual política de roubo e saque que o governo PSD/CDS está a fazer contra os trabalhadores e o povo. Prosseguir com as manifestações de massas e com todas as formas de luta que conduzam e fortaleçam uma contestação geral e nacional é o que tem de ser feito para derrotar os novos ataques do governo previstos no Orçamento de Estado para 2012 e no memorando com a Troika. Ataques como o corte nos subsídios de férias e de Natal do Serviço Público; o aumento do período normal de trabalho em 30 minutos diários e 2 horas e meia semanais; e a redução das indenizações por demissão.

Fonte: www.rupturafer.org, 20/12/2011