Empresa ligada ao Banco do Brasil recebeu nota fria de Marcos Valério

Notas frias descobertas por Auditoria da Receita Federal comprovam desvio de dinheiro público para pagamento de mensalõesA pedido da CPI dos Correios, a Receita Federal realizou uma auditoria em 27 notas fiscais emitidas pela DNA, empresa do publicitário Marcos Valério, acusado de operar o esquema de distribuição de mensalões a parlamentares governistas. Dessas, 11 notas eram frias, sendo uma delas emitida à Visanet, no valor de R$ 6,4 milhões. As outras notas foram emitidas para a Amazônia Celular, empresa ligada ao Opportunity, do banqueiro Daniel Dantas. As empresas de telefonia de Dantas também tinham contratos com as empresas de Marcos Valério.

A descoberta reforça as provas de desvio de dinheiro público de empresas estatais, através de pagamentos às empresas de propaganda de Marcos Valério por serviços que nunca foram realizados. Essas notas que foram analisadas pela Receita são as mesmas que foram apreendidas em junho, em Belo Horizonte, e estavam sendo queimadas por um funcionário de Marcos Valério.

Sobre o relatório parcial que deverá ser divulgado pela CPI neste dia 10, o relator Osmar Serraglio já tinha adiantado no dia 3 de outubro que há fortes evidências da existência do mensalão e que os empréstimos feitos por Marcos Valério não passam de “simulações”, para mascarar o desvio dos recursos públicos. De qualquer forma, esse primeiro relatório não entrará no mérito da existência ou não do mensalão.

Esses últimos acontecimentos confirmam a corrupção desenfreada que rola no Congresso e enterram definitivamente a justificativa dos petistas de que toda a história não passava de caixa 2, ou seja, recursos de campanha não declarados. Apesar de todas as provas, entretanto, o único deputado cassado até agora foi Roberto Jefferson. Os outros safados, sejam governistas ou da oposição burguesa, aguardam pela pizza.