A menos de um mês das eleições municipais, que têm como pano de fundo a maior crise econômica mundial da história, pandemia, desemprego recorde, rebaixamento de salários, carestia e um parco auxílio emergencial votado pelo Congresso, programado para acabar em dezembro, não há empolgação.

Contraditoriamente, em que pese a enorme polarização econômica e social, há grande fragmentação política. Os bolsonaristas, que estão de braços dados com o centrão em Brasília, diluíram-se. O PSDB, que era parte do bipartidarismo informal que vigorou até 2014, segue à deriva.

Já os setores que se apresentam no campo da colaboração de classes – como PT, PSOL e PCdoB (ou mesmo partidos diretamente burgueses, como PSB e Rede) – também saíram divididos e apresentam um programa parecido, de colaboração de classes e de administração do capitalismo, governando Estados como governam os demais partidos. Apresentam projetos no marco do sistema e da colaboração com banqueiros e empresários. Basta dizer que o PT está coligado com o PSL em 145 cidades. O PSOL de Boulos (SP), com um programa bem parecido ao do PT, está coligado a partidos burgueses como PSDB, MDB, DEM e PSC em mais de dez cidades.

Diferente do PT, do PSOL e do PCdoB, o PSTU se apresenta nas eleições para defender uma alternativa de independência de classe, socialista e revolucionária, que ajude a classe trabalhadora a acumular forças nas lutas, a avançar a consciência e a organização da nossa classe, em defesa de seus interesses imediatos e estratégicos, ou seja: transformar essa sociedade!

 

SÃO PAULO (SP)

Vera

Com um 1% nas pesquisas, sem tempo de TV, sendo a sétima colocada na disputa à prefeitura de São Paulo, a campanha da Vera tem se concentrado nas fábricas e na periferia. Uma campanha feita com os de baixo para enfrentar os bilionários de cima.

Como ela explicou em entrevista ao jornal O Globo, “aparecemos pouco porque não temos parlamentares e a cláusula de barreira dificulta, mas o PSTU está em tudo: nas ocupações, escolas, nas fábricas. Militamos onde estão os trabalhadores pobres e vivemos nestes lugares”.

Esta é a síntese: uma campanha que vem sendo construída com muita força onde está o povo pobre e trabalhador, com militância voluntária e financiamento exclusivo dos trabalhadores.

Uma parte da campanha tem ocupado as redes sociais e vem sendo feita de maneira on-line por conta da pandemia. Outra parte é feita presencialmente junto com os candidatos a vereador nas regiões Centro, Leste, Sul, Norte e Oeste da capital paulista.

 

Professora Flávia – 16.300

A campanha da Professora Flávia tem pautado a luta em defesa da educação pública de qualidade e das necessidades mais sentidas dos moradores da Brasilândia, bairro periférico da Zona Norte.

 

Lauro Fiaes – 16.123

Operário do setor de alimentação, Lauro Fiaes realiza uma campanha centrada nas fábricas, em defesa dos empregos, da renda e da vida dos trabalhadores.

 

SÃO LUÍS (MA)

Na capital do Maranhão, a candidatura do Hertz a prefeito tem levado o programa socialista do PSTU aos bairros pobres e negros da cidade, a exemplo da Liberdade, o maior quilombo urbano da América Latina.

Hertz tem ocupado um grande espaço na imprensa, participado de entrevistas e debates. “Temos feito ecoar um programa de raça e classe, chamado os trabalhadores e o povo pobre a votar no PSTU e a ajudar na construção do partido, para que possamos de fato organizar uma alternativa socialista no Maranhão”, diz Hertz.

Um dos bairros que a campanha também tem crescido e vem ganhando apoio é no João Paulo, local onde mora a Preta Lu, nossa candidata a vereadora com o número 16.000. “Estamos explicando nosso programa político em minha comunidade. Fazendo uma disputa de consciência na favela, contra aqueles políticos que só aparecem aqui no tempo das eleições para mentir e iludir o nosso povo”, dispara Preta Lu.

 

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SJC)

Em São José dos Campos, o PSTU tem orgulho de apresentar uma mulher negra e socialista como candidata a prefeita, a trabalhadora dos Correios Raquel de Paula. A campanha já ganhou as ruas e os bairros da cidade, assim como está sendo construída nas fábricas e nos locais de trabalho.

No último dia 17, aconteceu uma grande carreata. Estão sendo realizadas caminhadas, e todos os dias a militância marca presença na praça Afonso Pena com uma banca de materiais do partido e da campanha.

“Vemos um sentimento de apoio que cresce a cada dia. As pessoas sabem que como está não dá pra ficar, e que chegou a hora de uma transformação séria, verdadeira, contra esse sistema. E é justamente com essa proposta que apresentamos uma alternativa socialista. Chamamos os trabalhadores a fazer parte dessa mudança, a construir uma alternativa, construindo o partido com a gente”, pontua Raquel de Paula.

Outro ponto que o partido tem chamado atenção na campanha é o privilégio dos políticos. Estamos colhendo assinaturas pela redução dos salários dos vereadores, do prefeito e dos secretários, como informa Toninho, candidato a vereador com o número 16.123.

“Um vereador aqui na nossa cidade ganha mais de 11 mil reais por mês. O prefeito, mais de 23 mil reais. E isso só de salários, sem contar mimos, verbas de gabinete, gasolina, e privilégios a perder de vista. Esse é um dos aspectos mais asquerosos da política no sistema capitalista. Os candidatos do PSTU são contra esses absurdos e queremos por um fim neles”, ressalta Toninho.

 

RIO DE JANEIRO (RJ)

Cyro Garcia, o candidato do PSTU a prefeito do Rio de Janeiro, vem pontuando nas pesquisas e tem chamado os trabalhadores e o povo pobre a construir uma alternativa socialista de raça e classe.

A campanha do Cyro tem chamado a atenção da sociedade e da imprensa. Na última quarta-feira, Cyro realizou um debate no Instagram com o ator Pedro Cardoso sobre a importância de uma alternativa socialista e revolucionária. O bate-papo está disponível no Instagram: @cyrogarcia16.

“Estamos realizando uma campanha revolucionária, de raça e classe, que apresenta uma saída para a crise e que busca fortalecer as lutas da classe trabalhadora no Rio de Janeiro e em todo o país. Nas lutas se constroem experiências de organização da classe, mostrando o caminho para a única saída real para nossos problemas, a construção de outro tipo de sociedade, que não seja baseada no lucro e na exploração de uma classe por outra. Uma sociedade organizada a partir de conselhos populares criados nos bairros, comunidades e nos locais de trabalho”, afirma Cyro Garcia.

A campanha vem ganhando as ruas e os locais de trabalho. Colada com a campanha dos candidatos a vereador, as propostas socialistas do PSTU estão sendo apresentadas junto aos trabalhadores da saúde, da educação, da Petrobras, dos operários nas fábricas e nos bairros periféricos do Rio de Janeiro.

 

BELO HORIZONTE (MG)

Na capital mineira, as candidaturas do PSTU vêm ganhando apoio de setores organizados da classe trabalhadora. Os trabalhadores da educação organizaram um manifesto que já passa de 500 assinaturas e agora está sendo estendido às outras categorias. Os trabalhadores da saúde também têm construído atividades de apoio à candidatura do Wanderson Rocha a prefeito e da Vanessa Portugal a vereadora – 16.123.

“Estamos fazendo reuniões com os apoiadores, discutindo nosso programa, envolvendo os trabalhadores na construção de uma alternativa socialista para Belo Horizonte”, destaca Vanessa.

As atividades de rua têm se concentrado em três regiões: Barreiro, Venda Nova e Zona Leste, bairros periféricos de moradia dos operários e onde estão localizadas importantes ocupações populares.

Esta semana, iniciam as panfletagens nas fábricas da Cidade Industrial. “Temos feito panfletagens nas ruas, feiras e praças dos bairros operários e nas ocupações populares, apresentando as propostas socialistas do PSTU, que respondem às necessidades mais sentidas pela classe trabalhadora e o povo pobre de nossa cidade”, destaca Wanderson.

 

SÃO JOÃO DEL REI (MG)

Na cidade mineira de São João del Rei, a campanha do PSTU vem ganhando apoio da população e dos trabalhadores. “Somos a única candidatura que busca um diálogo direto com os operários, com grande peso na educação, setor têxtil, metalurgia e nos rodoviários”, diz Janaine Carvalho Ferreira, professora e candidata do PSTU a prefeita.

O partido apresenta um programa em defesa da classe trabalhadora e contra os privilégios dos ricos. “Estamos levando esse debate para os locais nos locais de trabalho e para os bairros. Temos recebido grande apoio”, destaca Janaine.

Jordano Metalúrgico – 16.123

A campanha do Jordano Metalúrgico a vereador também vem ganhando apoio nas fábricas e nos bairros. Todos os dias, a militância do partido e apoiadores estão nos locais de trabalho fazendo campanha, apresentando o programa socialista do PSTU.

“Estamos apresentando um programa construído com os trabalhadores. São João Del Rei precisa um projeto socialista. O PSTU é a alternativa dos trabalhadores, que tem enfrentado as outras candidaturas que representam os projetos dos ricos”, afirma Jordano.